Avançar para o conteúdo principal

XIII Duatlo das Lezírias

Hoje fiz o meu segundo duatlo!

Desta vez não havia nem chuva nem lama, havia solzinho e estava um dia bastante simpático...

Chegámos cedo porque o secretariado e o check-in no parque de transição terminava por volta das 9h, mesmo a prova sendo às 11h, porque o Duatlo de Promoção começava às 9h30 e o parque tinha de estar liberto de confusão...

Mas confusão existiu alguma: no secretariado alguns comprovativos dos pagamentos não se sabiam onde paravam, a entrada para o parque de transição tinha uma fila enorme, a saída do parque de transição tinha fila novamente para validação do chip, só existiam 4 casas-de-banho mistas para mais de 1000 pessoas que se juntaram, logo mais um bocadinho na fila! Mas a malta tem paciência...

A partida para a primeira prova teve de ser adiada quase meia-hora devido aos atrasos na entrada no parque de transição, e lá vimos o Jaime e o Nuno "Galvas" a partir, a passar do primeiro segmento de corrida para o BTT e no fim a chegar à meta! A prova pelo que sei correu bem, apesar do Nuno ter sofrido um acidente quase no fim do BTT e ter "riscado o cromado"...

Comecei a aquecer sozinha um bocadinho antes do Galvas chegar e depois lá me juntei à Carla e ao "Dino", lá corremos um bocadinho (aqueci menos que no Jamor) e depois aquecemos as articulações.

Fomos para a zona da partida e aí ainda tive oportunidade de conhecer a Andreia Moço :) antes de arrancarmos, como suspeitei é uma porreira ;) Vi os irmãos Chung (irmãos do Nuno) com quem acabei por meter conversa, mas só no final da prova.

Lá foi dado o tiro da partida, na altura em que o meu stress começava a aumentar, o ritmo foi elevado desde o início, embora nunca soubesse bem qual era (nem iPod, nem pulsómetro – estava completamente à nora), como era só uma volta foi porreiro ver os primeiros a virem de frente e ficar completamente arrasada quando percebi que ainda me faltava correr tanto para dar a volta… :) Mas lá fui rolando, depois de dar a volta, comecei a sentir algumas dificuldades, primeiro era só a respiração que começava a fazer-se ouvir bem alto, mas depois comecei a ficar com uma espécie de “dor de burro”, a Carla que ia perto de mim estava bem e eu disse-lhe para ela ir seguindo, amigo não empata amigo, abrandei um bocadinho o ritmo, e melhorei a respiração, e lá consegui chegar ao parque de transição na cauda final do pelotão.


Ainda encontrei a Carla que se deparava com as dificuldades da sua “primeira transição”, eu despachei-me rápido e saí com pouca diferença dela, mas como estava a recuperar ainda da corrida, ela escapou-me no alcatrão e nos primeiros quilómetros, embora nunca a tenha perdido de vista.


Lá me fui recompondo e fui passando pessoal, mas sempre a pensar que não ia conseguir manter o ritmo de pedalada até ao final, na verdade, fui sempre puxando e fui-me sentindo bem, lá apanhei a Carla e fomos as duas sempre juntas durante o resto do tempo, a passar pessoal e a escapar dos buracos!

Chegadas ao parque de transição, estavam duas bikes no lugar das nossas, o que me deu uma irritação brutal porque o meu cesto com os ténis estava desviado e perdi imenso tempo a desviar as bikes e colocar a minha (que me desculpe o dono de uma das bikes, mas a bike ficou no chão porque não consegui colocá-la…), lá troquei os ténis, quase que tive uma cãibra no gémeo esquerdo, mas a calçadeira faz milagres e lá me aguentei.


Partimos para a corrida, com as pernas um bocado presas (já nem quero falar que os músculos ainda estavam doridos dos sprints de 5.ª feira… dah de novo!), e debaixo da ponte lá vimos o “Dino” (o que se passou com ele?), e lá nos fomos “arrastando” (pensava eu) durante os quilómetros que faltavam, a Carla foi à frente até metade do caminho e só depois da viragem é que me comecei a sentir melhor (deja vu do Jamor) e ela disse-me “força, continua” e eu lá fui dando passo atrás de passo até à meta; quando passo pelo resto do pessoal na meta gritam-me “SPRINTA” e lá corri com o resto das minhas forças e evitei ser ultrapassada por mais uma adversária mesmo no final :)


Fiquei mordida porque não fazia ideia dos tempos que tinha feito, quando a Carla disse que o pulsómetro tinha 1h30 e tal nem queria acreditar, tinha um objectivo de cerca de 1h50 – mas ok a quilometragem da bike tinha diminuído de 23k para 20k – mas a verdade é que as minhas médias foram muito melhores do que poderia ambicionar (entretanto as classificações ficaram disponíveis): fiz 26m24s nos 5k; 51m59s na bike e 14m04s nos 2,5k – tempo total 1h32m27s! Muito bom, fiquei bastante contente com os meus tempos!!!

Pelas classificações, estivemos todos muito bem, tanto no Duatlo de Promoção como no da Taça, os nossos tempos foram muito bons para o nosso nível de treino… O ideal era mesmo melhorar na corrida, isso faria toda a diferença!!!

Próximo duatlo: Grândola!!!:)

Mais fotos em:
XIII Duatlo Lezirias

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Trail do Castelejo

Aproveitando que iamos passar o Carnaval a Leiria e que tinha de me forçar a treinar, descobri que no domingo acontecia aqui pelas redondezas o Trail do Castelejo e convenci o CC a vir comigo.
Optámos pelo percurso de 22km, que dava para fazer um bom treino sem abusar demasiado, Sicó é daqui a 2 semanas! A altimetria não era assustadora, sabia que ia apanhar uma parede pequena logo no princípio (que não foi tão pequena como isso dada a inclinação da coisa) e depois uma subida de cerca de 3k do km 12 ao 15, mais coisa menos coisa.

Chegámos a horas de levantar o dorsal com calma, ir ao carro decidir o que levávamos ou o que ficava no carro, ir aquecer um bocadinho e ainda conversar com o André, primo do CC, que viria a ficar em 3.º da geral masculina dos 22km.
Fomos para a partida e conseguimos furar para não ficar muito atrás. Logo logo, partida dada! Arrancámos com pica e tentei seguir o CC, mas não, ele fura com uma pinta e deixei de o ver num instante. Avancei, tentando analisar qu…