Avançar para o conteúdo principal

III Duatlo do Jamor a.k.a "Lama, lama, lama e mais lama II"

É verdade, concretizei hoje um dos meus grandes objectivos do ano: participar no Duatlo do Jamor e conseguir terminar :)

Estou muito contente com este meu feito, já que além da dificuldade da prova em si, este ano o Duatlo contou com uma presença já habitual para mim nos últimos domingos: a lama!!!!

Durante toda a semana, estive atenta ao boletim meteorológico, uma vez que a chuva teimou em não dar descanso, e as últimas previsões não eram lá muito animadoras... tempestade! No entanto, na véspera previa-se uma aberta entre as 11h e as 13h, o que até se veio mais ou menos a concretizar... :)

Cheguei ao Jamor relativamente cedo, a partida da corrida dos 5kms tinha sido dada há uns minutos e ainda consegui dar uma força à turtle enquanto ela seguia concentrada para a sua segunda volta ao circuito!

Percebi logo que o terreno não estava nas melhores condições, estava tudo empapado, fui logo levantar os dorsais e dirigi-me de volta ao carro para ir buscar a bike e o resto do material a colocar na zona de transição, nessa altura caiu o dilúvio, e refugiei-me dentro do carro, mesmo a tempo de não levar com o granizo que nessa altura caiu… este foi o momento em que eu desmoralizei, pensei “se continua assim eu não tenho força mental para terminar”, mas foi de pouca dura! Passado um pouco a chuva abrandou e fui tirar o material e fazer o check-in da bike e do material no parque, e daí fiz o meu aquecimento de corrida.

A partida estava para breve, logo fui-me aproximando da zona da partida, vendo muitas caras conhecidas, estava toda a gente no Jamor :)

O primeiro segmento de corrida (5kms) foi feito num ritmo relativamente elevado, dentro daquilo que tinha planeado, fiz 29’10’’ (10,29km/h – 5’50’/km). Entrei para a zona de transição, meio à nora, não sabendo bem o que fazer em primeiro lugar, mas lá coloquei o capacete e calcei os sapatos de encaixe e tentei correr para sair da zona “a pé” e poder montar a bike. Ao contrário das minhas expectativas, consegui iniciar a subida num ritmo confortável, a primeira subida tinha um topo com uma inclinação jeitosa, e para me poupar desmontei e segui num ritmo acelerado para tentar compensar, montando-me na curva para continuar o trajecto. A mata do Jamor estava mesmo muito enlameada, alguns trilhos estavam bons, mas outros eram um “tulicreme” brutal, mas praticável depois de quem tinha estado no Mondego ;), se nas descidas me poupava (quis evitar uma queda a todo custo), nas subidas tentava dar o que tinha, e a rolar esticava tudo; mas ao descer à zona de meta e ao passar ao lado do parque de transição só pensava “nem acredito, mais uma volta naquela lama”, mas lá fui, decidida a dar o meu melhor! Tenho noção que a 2.ª volta foi pior a que a 1.ª, mas naquele momento isso era secundário, eu queria era chegar ao fim! Fui dobrada pelos primeiros que passavam tipo flechas, e ainda vi um dos triatletas no cimo de uma subida inclinada, mesmo ao meu lado, a partir o drop-out e a ficar com o desviador pendurado, imagino a desilusão… :(

Cheguei ao parque de transição depois de 92’02’’ a pedalar (11,73km/h e 34,89km/h de velocidade máxima), e essa transição, apesar de mais rápida, foi a mais manhosita, porque a lama estava por todo o lado, descalçar os sapatos de encaixe e voltar a meter os pés nos ténis (com a ajuda da calçadeira – [obrigada pela dica Andreia ;) e muitos parabéns pelo 2.º lugar]) foi obra, ainda peguei no boné que consegui colocar já durante a corrida e fiz-me ao caminho. Aqui a sensação é estranha, as pernas ao princípio parece que não querem colaborar e eu tinha a sensação que ia muito lenta, passei pela Carla e o Jaime e cravei logo água, já que a minha garganta estava muito seca, de seguida lá me deram uma garrafinha de Isostar que me acompanhou durante toda a corrida. Esta corrida ao princípio estava-me a custar bastante, mas decidi que não ia parar, aos poucos consegui ir-me sentindo melhor e no final consegui melhorar a velocidade acabando este segundo segmento de corrida com 16’25’’ (9,14km/h – 6’34’’), melhor do que pensei, já que achava que estava para aí a correr a 8/8,5km/h.

Foi uma satisfação enorme terminar com um enorme sorriso estampado no rosto emlameado, uma vitória pessoal, com um tempo total de 137’37’’, mesmo não sendo um tempo brilhante, foi um tempo abaixo do limite que tinha em mente (máximo de 2h30)!!!

Ficou o bichinho, agora a próxima participação será daqui a 15 dias no Duatlo das Lezírias! Não quero deixar de agradecer ao pessoal que vi por lá e que me deu força, sobretudo ao Jaime e à Carla que não se assustaram com a chuva e fizeram questão de aparecer e torceram por mim sempre que eu passava; ao Gabriel, companheiro da travessia, que também por lá estava a ver a festa; ao Soldado que gritou por mim já perto do PT e da meta e ainda ao “Dino” que também participou e que passou por mim já limpinho ;) e me deu força quando eu ia para o último segmento de corrida!!!! Quem também não posso deixar de referir é a Elisabete (_riplas_) e o João (Mr.Orbea) que fizeram uma prova próxima de mim e que eu finalmente pude conhecer pessoalmente :)

Ficam algumas fotos:

Comentários

*sun* disse…
Parabens pela coragem e determinação. Beta
Blackbelly disse…
Parabéns sua CAMPEÃ :)

Agora vê lá se não abandonas o UNATLO BTT :)

Força para as Lezírias :)
Miguel disse…
"Grande" Soraia. Força aí!
Fica-te bem o boné. Pareces uma "pró" LOL
Duarte Gregório disse…
Boas,
ja fiz dois duatlos e, proximo dia 15 tenho outro mas em estrada. Duatlo de btt num piso desses eu nunca fiz nem é tipo de prova que me motive, apesar de também organizarem provas dessas nas nossas serras.

Mensagens populares deste blogue

HAPPY!!!!!

Sinto-me infinitamente feliz :-)

E por algo tão simples como ter batido o meu record pessoal nos 100m livres! êêêêê

Mas há várias razões para que este record batido seja tão motivante:
# porque ele significa menos 5" de um anterior record que eu nem sabia bem como o tinha feito;
# porque nas 2 séries de 100m que fiz hoje, na 1.ª igualei o anterior record e na 2.ª esmaguei-o;
# porque trazia um record pessoal da época passada de mais 22.5" que o actual;
# porque isto é resultado de um trabalho árduo e muito individual;
# porque para evoluir fiz muita pesquisa para perceber como poderia melhorar;
# porque nado unicamente acompanhada pelo meu Garmin Forerunner 910XT que me ajuda a avaliar toda esta minha evolução;
# porque nunca desisti de querer melhorar;
# porque me gravei em Agosto com intuito de perceber alguns erros e isso ajudou-me imenso: percebi que estava a colocar o braço cruzado à frente da cabeça e que a minha mão também não entrava como deve ser na água (além de ou…

XTERRA MAUI | Ou o azarado Campeonato do Mundo...

Depois de muita preparação, dedicação e esforço esta época, eis chegado o momento de pôr à prova todo o tempo despendido a treinar.

Um destino como o Hawaii era motivo suficiente para querer enfrentar o desafio, mas mesmo com todo o treino feito estava receosa sobre o que iria encontrar, sobretudo em termos de clima. Mas a verdade é que chegámos com uma semana de antecedência, para nos ambientarmos, descansarmos e entrarmos na rotina do novo fuso horário - sim, são 10h de diferença!

A semana antes supunha algum descanso e as tão aguardadas férias, mas não podíamos deixar a forma totalmente de lado... tinha de continuar a haver algum treino... como não podia deixar de ser, e porque fomos 2 semanas, levámos a nossa Piruças connosco, pelo que tínhamos de treinar à vez, mas assegurámos que tínhamos uma babysitter de confiança para ficar com ela durante a prova, não deixando isto de nos causar algum nervoso miudinho, porque no Hawaii não falam português, certo? ;-)

Mas é da prova que quero…