Avançar para o conteúdo principal

Sky Trail Camp Porto da Cruz 2019

Este fim de semana tive o privilégio de ir até Porto da Cruz na Madeira para participar no Sky Trail Camp Porto da Cruz 2019.
Fi-lo integrada no grupo do João Mota, éramos mais de 30, alguns foram uns dias mais cedo e começaram logo a percorrer os trilhos fantásticos da ilha.
Primeira foto captada por mim em Porto da Cruz
Eu só me juntei na sexta, ao final do dia, mas bem a tempo de encontrar o pessoal, conhecer as minhas companheiras de quarto (a Rita e a Lúcia), lanchar com calma e vestir-me para ir correr.
O 1.º treino do Sky Trail Camp, um nocturno de 9kms com 300mD+ começou um bocadinho depois das 20h previstas. Queria ir com o pessoal, uma vez que correr sozinha à noite sempre foi coisa que não me agradou, mas quando dei conta não via caras conhecidas e acabei por avançar ao meu ritmo, algumas vezes correndo sozinha e outras na companhia de desconhecidos. Na verdade, gostei da sensação de correr sozinha com uma luz na testa, mas porque sabia que existiam outras pessoas por perto, parece-me ;-)
Strendure & friends: Antes da partida para o 1.º treino do Sky Trail Camp
Após terminar, fomos ao banhinho e acabámos a jantar no restaurante do hotel, acabámos de jantar tão tarde que nem deu para ir às ponchas já que no dia seguinte tínhamos de acordar cedo. Mas o sr do restaurante ainda nos presenteou com uma para o brinde...
A primeira poncha :-)
Às 7h15 de sábado estávamos a pé para ir tomar o pequeno-almoço, deixá-lo "acamar" no estômago e prepararmos-nos para atacar a distância do dia, que eu já tinha decidido que seria a mais longa, uma vez que teria companhia num ritmo calmo. Após as fotos da praxe e muita conversa na zona de partida, lá começou o treino.
Strendure & friends: Antes da partida para o 2.º treino do Sky Trail Camp
Mantivemos-nos perto, num ritmo calmo e conseguimos sair do percurso em 2kms, percorrendo o caminho para a Penha da Águia no sentido inverso ao esperado. Já foi depois da subida das escadinhas com vista para o Faial que percebemos que tínhamos mesmo de voltar para trás porque os primeiros vinham em ritmo infernal e os trilhos eram em single track. 

Passámos o abastecimento e fizemos a subida íngreme de alcatrão até aos trilhos todos juntos, nessa altura, a minha narina esquerda decidiu começar a sangrar, mas num instante estancou e nesse dia já não chateou mais. Entramos nos trilhos e apanhámos uma subida que não paráva, quando demos conta, eu, a Sabina e o Zé já estávamos longe da malta que ia mais devagar e decidimos continuar. A subida para o abastecimento foi dura - mas aquelas escadas não acabavam?!? - e cheguei sem água, mas o abastecimento foi fantástico e deu para voltar a ganhar forças. O que nos esperava a seguir era incrível, uma carrossel numa mata belíssima e umas descidas incríveis (Degolada)! Estava pasma, estava a aguentar o ritmo e as minhas pernas estavam bem! Cheguei cansada mas bem à meta, completamente deliciada com as vistas, os trilhos e a diversão! Foram 26,7kms com quase 1600m D+.
Fotos dos fotógrafos do evento e as paisagens by O homem do guizo
À tarde devíamos ter descansado, certo? Mas não! Almoçámos calmamente, jogámos conversa fora, subimos às ruínas para ver as vistas. De seguida fomos jantar e depois às ponchas. O que valeram foram as meias de descanso e a pomadinha milagrosa fresquinha que a Sabina e o Zé me emprestaram!
Almoçarada de sábado



Às 7h15 de domingo estávamos novamente a pé para ir tomar o pequeno-almoço. Tinha chovido bem durante a noite e não tínhamos a certeza se não choveria durante a manhã... e eu de calções! Mas na verdade, apesar de encoberto, o tempo aguentou-se e teve impecável até ao almoço. Não sabia como estavam as minhas pernas, sentia-las  pesadas, mas apesar de a noite ter sido mal dormida, a coisa não correu assim tão mal...

Começámos com uma foto de grupo nas ruinas e depois, para o pós-pequeno-almoço tínhamos um Lombinho no menú, e um lombinho logo no início tem que se lhe diga! Os meus gémeos guincharam e não consegui ir com os meus companheiros do dia anterior. Subi com calma, tive direito a nova hemorragia da narina esquerda, tipo toca e foge, a ser empurrada pelo Januário, a tirar fotos com ele, a Goreti e o Luis Fernandes! No cimo, apanhámos um estradão a descer e apesar de as pernas responderem, fiquei com dor de burro, mas o abastecimento estava próximo e consegui chegar rapidamente.
Por lá ainda estavam a Sabina, o Zé e o Quitério, e só deu tempo para encher o flask com água, pegar numa banana e nuns amendoins e sair a correr atrás deles num trilho espectacular. Nem tive tempo de me aperceber que estava a ir para o percurso mais longo, mas na verdade, nem podia ter escolhido outro, caso contrário ia perder a incrível vereda do Larano! Até lá chegarmos ainda se juntou a nós o Menezes, que me acompanhou nos últimos kms quando as pernas já estavam todas quilhadas e o cansaço se apoderava de mim. Foram 20kms e 850m D+. Estava feito!

Banhinho bom, preparar a mochila para ir embora e ir almoçar que a fome era muita. Últimas conversas e começamos a despedir-nos. Ainda tive o privilégio de receber a visita dos meus queridos amigos Catarina e Miguel, sabe tão bem sentir-me acarinhada longe de casa 💓
De volta ao quarto para os últimos preparos, e eu e a Lúcia pegámos nas malas e fomos apanhar o autocarro da organização em direcção ao aeroporto. Óptima companhia ;-)

E em menos de nada de volta à realidade! Mas regressei de coração cheio: de trilhos maravilhosos,  de vistas incríveis, de pessoal fixe e ainda com um belo empeno nas pernas.


Comentários

Sabina Marques disse…
Foram mesmo uns dias em cheio. Passaram a correr, literalmente.
Obrigada pela partilhas :)

Mensagens populares deste blogue

7.º Trilho das Lampas

Ontem fui até São João das Lampas para participar pela primeira vez no Trilho das Lampas. Era uma prova que eu tinha na minha listinha daquelas provas que tinha que fazer porque já tinha visto um vídeo da edição de 2017 e tinha ficado com ela entalada. No ano passado, como estava lesionada não deu para fazer, mas não quis deixar passar mais um ano e lá fui eu até às Lampas.

Como moro relativamente perto, passei com os miúdos à hora de almoço para fazer reconhecimento do sítio e levantar o dorsal para evitar a confusão. Planeei logo onde iria deixar o carro!

Almoço tardio, últimos preparativos e arranco novamente em direcção às Lampas. Arranjo logo lugar no local planeado e vou ver o ambiente. Encontro algumas caras conhecidas, entre elas a minha querida Nani e o Aurélio, ponho a conversa em dia e ia começar o aquecimento que optei por fazer e sempre ajudou a começar mais lá da frente.

A prova arranca com umas voltinhas no jardim, o que é giro, sobretudo para quem está a assistir à pro…

Ultra de Sesimbra - A primeira ultra saiu do forno (literalmente)

Desta vez começo pelo fim... ASSUMO: estou cheia de cagança 😁 mas isto passa-me rápido ;-)

A verdade é que, o facto de ter cumprido a minha primeira prova de trail, na distância Ultra, em condições de calor extremamente desafiantes e ter conseguido o meu primeiro pódio à geral com um 3.º lugar e um 1.º lugar no pódio de escalão (F40), deixou-me primeiro emocionada e depois extremamente feliz e orgulhosa! Nota-se na foto, não?

Mas vamos lá... vou tentar não ser demasiado "prega secas" 😂😂😂

Combinei com o Ricardo Pato irmos juntos de Lisboa, íamos à mesma prova e não fazia sentido levarmos 2 carros, e eu sempre tinha alguém para tagarelar ;-)

Chegámos cedinho a Sesimbra, e fomos levantar o dorsal, como deixámos o carro ao pé das piscinas, voltámos a trazer o belo saquinho, fazer os últimos preparativos e era correr para a meta a fazer o aquecimento que já não dava para muito mais! Ainda encontrámos malta conhecida e deu para uns olás! Era altura de nos posicionarmos na part…

Trilhos Loucos da Reixida

O banho de humildade! A prova que me pôs no lugar!

A prova onde morri muitas vezes e renasci outras tantas!

A prova onde tropecei mais vezes do que no último ano inteiro, e onde quase me esbardalhei a sério pelo menos 3 ou 4 vezes e onde me safei com requintes de artista do Cirque du Soleil!

A prova onde a certa altura parei, contemplei o incrível cenário do alto da cascalheira (que não subimos) e pensei como iria fazer os últimos 10 kms que me faltavam porque estava completamente esgotada (foi ali que morri a 1.ª vez)!

A prova no meu "Centro de Estágios" preferido, mas onde mesmo assim descobri alguns trilhos novos!

Uma prova tão espectacular quanto dura...








Foram umas longas4:25:46, para percorrer os 28,2kms com 1445mD+. 14.ª Feminina, e mesmo assim, surpreendentemente 2.ª F40.

No Strava:

No Relive:
Relive 'Trilhos Loucos da Reixida - 2a F40'
#bethewolf#strenduretrailrunningendurance#strendurerunningteam #quinta_soalheiro #farmaciaporfirio #todofódide (Bruno Quitério,…