Avançar para o conteúdo principal

Grande Rota Maníaca de Fevereiro

Estavam combinados para sábado 140kms de puro pedalanço Maníaco... A ideia era rumarmos via Caminhos de Fátima até Valada e daí seguirmos por Muge-Salvaterra Magos-VFXira-Sacavém.

O ponto de encontro foi no Carvão e saímos todos não muito depois da hora marcada :)

Via N10, rolámos até ao Sobralinho onde nos encontrámos com o AJ que nos acompanhou até à Azambuja, mas não sem pararmos de seguida em Alhandra para o primeiro furo do dia (e eles foram alguns... GRRRR....)! Kitos=1

Em Vila Franca, já depois de virmos a discutir o plano das festas pelo caminho, decidimos avançar mesmo com chuva, mas não pelo trajecto inicialmente proposto, para que, caso um dilúvio abatesse sobre as nossas cabeças, seria mais wise mantermos o comboio debaixo de olho, apoio que perderiamos se atravessassemos o rio. Assim, decidimos avançar até Santarém, e a volta seria de comboio ou a pedalar dependendo da vontade das pernas ;) Foi nesta altura que o Moreira disse "ah e tal, chuva e coiso, vou ali já venho..." e foi-se, diz-se que estava com medo chuva, mas lá no fundo, lá no fundo estava com medo de que eu tivesse de lhe trazer o camelbak ;)

Depois de Vila Franca, lá metemos para uma estrada mais secundária e deixámos a N10, fomos rolando e em Vila Nova da Rainha, nova concentração para decidir se faziamos desvio por terra ou seguiamos pela nacional... como o apelo à terra é forte, lá desviamos para "comer algum pó" até à Azambuja!



Os trilhos primeiro rolantes, começaram a subir e PIMBA... mais um furo! Luis=1 Enquanto o Luis dava conta do furo, a malta foi acabando o pequeno-almoço :) Acho que nessa altura se ligou ao Moreira a dizer que ali não estava a chover... :) :) :)
Tudo a começar a arrancar e de repente ouve-se FURO! Era o Kitos, como é que é possível? Lá cravavou uma câmara de ar (a de reserva já tinha ido) e eu disse-lhe "vê se o pneu não tem nada"... qual quê! Kitos=2

Tudo a andar, ou melhor, tudo a subir e lá chegámos finalmente ao alcatrão... ah bela descida para a Azambuja, tudo lançado e mesmo no fim... FURO!!!! ARGH... E não é que era o Kitos outra vez? Lá fiquei eu, a Carla e o AJ, a melgarmos-lhe a cabeça... Desta vez foi obrigado (sim, somos más!) a ver o pneu (ia ver nem que fosse com a língua...LOL) e voilá, 2 picos... GRRRR... O AJ cedeu a última câmara de ar disponível, já que tinha de se "pôr na alheta" (que expressão bonita) porque ia trabalhar à tarde, e nós ficámos a gozar com a triste sina do Kitos... Kitos=3

Lá apanhámos os restantes mais à frente, e metemo-nos a caminho que já tinhamos perdido muito tempo... nesta altura praticamente sempre por estradas secundárias, mantendo o alcatrão em contacto com os pneus porque os trilhos estavam alagados... foi sempre a dar até Valada!

Era aí o abastecimento, feitos parvos, voltámos a parar no café do senhor mal-disposto, e enquanto se cavaqueava com um grupo de bttistas que também estava em Valada a caminho de Fátima, ficámos a saber que um bocadinho atrás havia um café com umas óptimas bifanas! Mas sorte a minha, já tinha pedido uma sandes mista... :S

Para terminarmos finalmente a contagem, o Luis deu conta após o almoço que tinha novamente um furo, lá se tratou do furo e o resultado foi: Luis 2 - 3 Kitos! Foi renhido, mas ganhou o Kitos (e desconfio que só não deu uma abada ao Luís porque eu o ameacei de porrada... eheheh)

De Valada a Santarém apanhamos o estradão largo, bastante rolante até à bela subida de alcatrão que nos leva à cidade, a verdadeira subida do dia! Apesar de já termos uma boa dose de quilómetros nas pernas, suponho que, por já conhecer a dita da ida a Fátima no ano passado, não custou tanto como pensava que ia custar, devagarinho lá fui eu até chegar ao topo :)

No cimo agrupámos junto ao centro comercial como já é habitual, o Meska estava com vontade de fazer uma visita aos pais no Vale de Santarém, e como havia por lá uma paragem de comboio, acabámos todos por acompanhá-lo e ir cumprimentar os pais... quem tinha decidido seguir ou estava com a água no fim lá atestou... e ala que se faz tarde!

Mais um pouquinho até à "estação fantasma" e aqui despedimo-nos:eu, a Carla, o Pacha, o Luis e o Nuno, decidimos esperar uma horita pelo comboio e o o Kitos, o Carlos e o Meska decidiram continuar, pelo menos até à Azambuja!

A vinda no comboio foi hilariante assim como a espera... aquilo parecia uma estação abandonada, nem casa de banho, nem horários, nem bilheteira... medo!

Chegados ao Oriente (o Pacha seguiu para Sta Apolónia), eu e a Carla tivemos de ir comer o belo pastelinho de nata, e lá seguimos até Sacavém e fomos até ao Elefante Azul lavar as bikes. Na volta a Carla lá me ajudou a colocar a bike em cima do carro e eu esperava conseguir tirá-la ao pé de casa (vá lá, tive ajuda)!

Quanto ao resto da história... parece que o Carlos e o Meska ficaram-se pela Azambuja, mas o Kitos encasquetou que tinha de continuar enquanto houvessem pernas... e chegaram ao destino: Alhandra!

Fica para recuerdo mais uma Grande Rota Maníaca cheia de histórias e boa disposição! Já fazia falta :)

Comentários

Pacha disse…
Só isto?!?
Ingrata... não falaste nas torradas, nem no futuro nocturno!!!

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Meia Maratona de Lisboa

Parece que já não fazia uma meia maratona de estrada desde 2013, muito bem acompanhada pela minha madeirense preferida, a Catarina Dinis, cujo relato podem ler aqui no blog, e que terminei em 1h49m40s.

Nessa altura fiz treino específico e praticamente dei cabo de mim (fiz uma lesão na anca que me deu luta durante uns meses), nada disso aconteceu desta vez ;-)

Desta vez o treino é específico para trail, desta vez não houve cá descanso nas vésperas da prova (fiz treino de ciclismo e trail na véspera), desta vez não houve semana levezinha (treinei todos os dias só folguei, como habitualmente, na sexta-feira)... o foco não era esta prova, se bem que eu tinha um objectivo na cabeça que queria mesmo muito cumprir! Queria bater o meu recorde pessoal e se possível, queria terminar abaixo da 1h45m!

No entanto, havia uma certa e determinada (tempestade) Félix no ar que provocou uma alteração no local da partida - desta vez não passámos a ponte 25 de Abril - e nos fez comer vento e granizo no l…

IX Trail Longo de Conímbriga Terras de Sicó

Para esta prova consegui convencer a minha lebre a vir comigo, não só apenas à prova, mas fez-me companhia praticamente toda a prova, uma raridade nos últimos anos ;-) No início até tive pena dele porque eu não dava mais e ele estava cheio de gás... mas ele ficou comigo! Isto é amor, senhores! <3
Fomos de véspera com os miúdos levantar os dorsais e para ver algum pessoal do longo a chegar... valentes! A minha filha delirou com o ambiente... mas não do trail... mas sim do rancho folclórico que estava a actuar :-) :-) :-)

No dia seguinte, tinhamos de chegar antes das 8h30 para tirar a foto de equipa conforme tinhamos combinado e assim foi, cheguei on schedule ;-)



Cumpridas todas as tarefas pré-prova, bora lá para a partida que já estava bem cheia e pouco deu para furar... tenho de trabalhar melhor esta cena de chegar cedo à partida!

Partida dada e vamos em euforia percorrendo as ruas de Condeixa-a-Nova...

Daí a Conímbriga foi um pulinho, sempre à morte... e era exactamente como me s…