Avançar para o conteúdo principal

Triatlo do Ambiente

Hoje fui fazer o meu primeiro triatlo à séria...

Anteriormente já tinha feito dois triatlos, mas a natação tinha sido feita na piscina, o que não se equipara, em nada, a nadar em águas abertas, continuo a achar que nadar em piscina é muito mais fácil!

Até agora, tinha feito já uma série de duatlos, sobretudo de BTT, experimentando apenas este ano a vertente estrada, e quanto a nadar com fato em águas abertas, há três fins-de-semana seguidos que "experimento" e a coisa tem custado sempre, mas em prova a dificuldade exponencia-se, não apenas por causa do granel - braços, pernas e corpos por todo o lado - mas também porque ainda não me é fácil reconhecer o meu ritmo e não me deixar afectar pela adrenalina e nadar à bruta, logo no início, atrás de quem vai à minha frente, pagando mais tarde a factura de não conseguir controlar a respiração!

Desta vez, a partida foi feita da areia, sprint até à água e toca a nadar "à polo" para me orientar no meio da confusão. Até não me safei mal no início, mas claro está, em menos de nada estava já a respirar com dificuldade devido ao abuso no ritmo inicial. Até à primeira bóia a coisa foi bem ("deja vu"), mas lá chegada pensei que ficava logo ali - até procurei o barco salva-vidas - tanta era a confusão para passar a bóia, pensei para os meus botões "é desta que me afogo!", mas não, continuo vivinha da Silva, e lá continuei... A respiração continuava nas couves, e tive uma epifania quando olhei para o lado e vi alguém a nadar costas! Não é tarde nem é cedo, é já! Ajudou a recuperar um bocadinho e a avançar caminho, e como até corria bem, acabei por fazer parte do percurso assim, virando-me de vez em quando para verificar a rota e tentar voltar ao crawl, mas não conseguia... isto quer dizer que não fui propriamente das primeiras a sair da água, mas assim que pus os pés em terra, olhei para a água e ainda havia muita gente por lá a nadar. Menos mal!

Agora era tentar correr, tirar o fato ao mesmo tempo e tentar não cair para o lado porque saio sempre da água muita zonza! Subo o mais depressa que posso até ao PT, e pela primeira vez, engano-me no sítio onde tinha as coisas, ou seja, andei demasiado para a frente e quando me apercebi, tive de voltar um grande bocado para trás... mas adiante, toca a acabar de tirar o fato, calçar as ZOOT (sim, porque ainda não tenho pedais de encaixe nesta bike), colocar o capacete e os óculos de sol, e toca a correr PT fora com a bike a fazer gincana entre o pessoal que estava a pastelar!

Ah que bom! Já estava na bike! Na bike sim, sinto-me bem! Aproveito o início para beber água e tirar o gosto salgado da boca. E toca a apertar! Consegui meter uma cadência porreirinha que me ajudou a passar muita gente e a recuperar parte do tempo perdido na água... isto da estrada até não é assim tão mau ;)

Chego novamente ao PT, coloco rapidamente a bike no suporte, tiro o capacete e sigo, o mais rápido que as minhas pernas ainda bambas permitem! À saída, agarro numa garrafa de água que havia depois de atirar ao CC que a agarra só com uma mão com uma granda pinta :) Aos poucos as pernas foram descolando, e apesar de ter sido ultrapassada por algumas pessoas, consegui eu também passar bastantes. Após a subida, alarguei a passada e ao chegar à recta da meta, meti "uma abaixo" e lá me "amandei" para o sprint final passando mais umas pessoas.... 47m17s :) YEAH!!!

Consegui superar o objectivo que levava (51m30s) e obter uma classificação simpática: 140º à Geral (em 222), 23º nas atletas Femininas (em 47) e 9º nas atletas SEN (em 23).

Mas melhor que tudo isto, foi ter o meu CC e a minha Piruças à minha espera na meta e a apoiarem-me durante toda a prova! <3

Depois ficámos os 3 a ver a prova do CN Clubes (e a tirar fotos):

Comentários

Monteiro disse…
Parabéns rapariga!!! Dá-lhe com alma!

Olha se quiseres tenho uns pedais de encaixe de estrada a mais. São uns BBB que comprei logo quando comprei a bike se quiserem é só dizer preço muito acessível.

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Trail do Castelejo

Aproveitando que iamos passar o Carnaval a Leiria e que tinha de me forçar a treinar, descobri que no domingo acontecia aqui pelas redondezas o Trail do Castelejo e convenci o CC a vir comigo.
Optámos pelo percurso de 22km, que dava para fazer um bom treino sem abusar demasiado, Sicó é daqui a 2 semanas! A altimetria não era assustadora, sabia que ia apanhar uma parede pequena logo no princípio (que não foi tão pequena como isso dada a inclinação da coisa) e depois uma subida de cerca de 3k do km 12 ao 15, mais coisa menos coisa.

Chegámos a horas de levantar o dorsal com calma, ir ao carro decidir o que levávamos ou o que ficava no carro, ir aquecer um bocadinho e ainda conversar com o André, primo do CC, que viria a ficar em 3.º da geral masculina dos 22km.
Fomos para a partida e conseguimos furar para não ficar muito atrás. Logo logo, partida dada! Arrancámos com pica e tentei seguir o CC, mas não, ele fura com uma pinta e deixei de o ver num instante. Avancei, tentando analisar qu…