Avançar para o conteúdo principal

Marginal à Noite

Finalmente participei na Marginal à Noite, depois de o querer fazer há já alguns anos e de até ter estado inscrita no ano passado, só este ano é que desfrutei desta corrida.

No início, eu e o CC iamos só os dois, mas depois os planos alteraram-se e decidimos levar a nossa Piruças. A ideia era eu ir a correr e a empurrar o carrinho, enquanto o CC se auto-propunha em bater o seu record pessoal, mas os planos alteraram-se de novo e afinal o CC foi calmamente a caminhar e a empurrar o carrinho da Piruças e eu auto-propus-me em bater o meu record pessoal :)

Pequeno aquecimento feito e despedimo-nos, eu fui tentanto furar para ficar mais à frente e ter uma partida menos condicionada pelas "chicanes móveis" e o CC, por seu turno, ficou para trás para garantir que a Piruças não era abalroada por ninguém!

O ambiente pré-corrida!
Partida dada! Não tomou muito tempo até que conseguisse arrancar, no entanto, medi o meu tempo tendo em vista a passagem nos tapetes para ter uma percepção mais clara do que seria o tempo de chip, ou seja, o meu tempo real de prova.
O início da prova é feito em subida e o constante trava-ultrapassa-sprinta pode criar mossa, mas tentei manter uma respiração regular e não me deixar influenciar por ritmos alheios, controlando assim a minha própria velocidade entre o confortável e o "à morte"!

Aos poucos, a corrida tornou-se mais fluída e a noite mais cerrada. Os kms iam-se sucedendo, e fiquei surpreendida quando os primeiros passaram por mim e já eu via ao longe a inversão da corrida, junto à Estação da CP de Caxias, ao km 4.

Percebi que ia num bom ritmo quando na viragem vi que o tempo estava abaixo dos 20 minutos, bastaria conseguir manter o ritmo que o objectivo se iria concretizar. Continuo, gerindo o esforço, e tentando não ficar tonta por constantemente olhar para quem vinha no sentido contrário, - uma mania que sei que me perturba imenso, mas que não consigo evitar! - consegui ver passar algumas caras conhecidas e gritei ao CC que não deu pela minha passagem!

Não demorou até que se aproximasse o km final, praticamente todo a descer, o que dá ânimo para um BOOST final :-) Força nas pernas e toca a ganhar velocidade até à meta! Nem quis acreditar quando vi que o tempo ia ser abaixo dos 40 minutos, isso significava que a minha velocidade média tinha sido bem catita e que sem dúvida, iria bater record de velocidade média, uma vez que não tinha nenhuma outra prova com a mesma distância para superar.

Terminei assim a corrida com um tempo total de 0:39:31, um tempo de chip de 0:38:43, o que me levou à melhor classificação que tive numa corrida: 1066 à Geral (em 4617 - 23%), 94 em Femininos (em 1622 - 6%) e estou ainda a aguardar a classificação no escalão.


Toca a alongar, a hidratar e a comer a bananinha para repôr o potássio e acalmar a fome que começava a instalar-se. Agora era só esperar pelos meus amores e ver as caras de satisfação/sofrimento de quem terminava a sua corrida!

Lá vinham eles, calmamente....

Os meus amores a terminarem!
... parece que a Piruças decidiu fazer companhia ao pai até ao km7, sendo que só depois adormeceu exausta, não aproveitando assim a consagração de terminar mais uma corrida oficial :)

Venha a próxima!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Meia Maratona de Lisboa

Parece que já não fazia uma meia maratona de estrada desde 2013, muito bem acompanhada pela minha madeirense preferida, a Catarina Dinis, cujo relato podem ler aqui no blog, e que terminei em 1h49m40s.

Nessa altura fiz treino específico e praticamente dei cabo de mim (fiz uma lesão na anca que me deu luta durante uns meses), nada disso aconteceu desta vez ;-)

Desta vez o treino é específico para trail, desta vez não houve cá descanso nas vésperas da prova (fiz treino de ciclismo e trail na véspera), desta vez não houve semana levezinha (treinei todos os dias só folguei, como habitualmente, na sexta-feira)... o foco não era esta prova, se bem que eu tinha um objectivo na cabeça que queria mesmo muito cumprir! Queria bater o meu recorde pessoal e se possível, queria terminar abaixo da 1h45m!

No entanto, havia uma certa e determinada (tempestade) Félix no ar que provocou uma alteração no local da partida - desta vez não passámos a ponte 25 de Abril - e nos fez comer vento e granizo no l…

IX Trail Longo de Conímbriga Terras de Sicó

Para esta prova consegui convencer a minha lebre a vir comigo, não só apenas à prova, mas fez-me companhia praticamente toda a prova, uma raridade nos últimos anos ;-) No início até tive pena dele porque eu não dava mais e ele estava cheio de gás... mas ele ficou comigo! Isto é amor, senhores! <3
Fomos de véspera com os miúdos levantar os dorsais e para ver algum pessoal do longo a chegar... valentes! A minha filha delirou com o ambiente... mas não do trail... mas sim do rancho folclórico que estava a actuar :-) :-) :-)

No dia seguinte, tinhamos de chegar antes das 8h30 para tirar a foto de equipa conforme tinhamos combinado e assim foi, cheguei on schedule ;-)



Cumpridas todas as tarefas pré-prova, bora lá para a partida que já estava bem cheia e pouco deu para furar... tenho de trabalhar melhor esta cena de chegar cedo à partida!

Partida dada e vamos em euforia percorrendo as ruas de Condeixa-a-Nova...

Daí a Conímbriga foi um pulinho, sempre à morte... e era exactamente como me s…