Avançar para o conteúdo principal

Belo treino em Sintra

Como hoje não podia passar o dia a pedalar, optei por fazer uma manhã bttistica em Sintra e acompanhar o Jorge e o Zé Melo. Foi a primeira volta com o Jorge depois da recuperação dele, já que teve parado uns meses devido a uma operação.

Hoje era também dia de várias estreias: o novo jersey PedalaDelas (lindo), os travões XT (juntos, porque no duatlo de Grândola já tinha estreado o da frente) e os bar ends (o guiador tb tinha estreado no duatlo)...




O jersey está mesmo muito fixe!!! E acho que me deu forças extras para hoje ;)
(Curiosamente todos os elementos do sexo masculino com que pedalei estavam de azul e eu, a única mulher, de cor-de-rosinha... eheheh)

Começámos a pedalar com calma já que os aceleras habituais hoje não estavam presentes! Assim que entrámos na terra senti logo a diferença, os novos travões são realmente muito mais confortáveis e dão uma sensação maior de controlo e segurança (totalmente aprovados)... e mesmo o guiador recto, que me despertava alguma curiosidade por causa da minha mariquice a descer :P está aprovadíssimo: para subir é muito melhor e a descer e a curvar sinto maior agilidade! COOL

Subimos até à Pedra Amarela, e eu estava a sentir-me realmente bem (o que nem é normal de início) pelo que ia sempre atrás do pessoal sempre que aceleravam um bocadinho, pensando contudo para os meus botões "ainda vou pagar caro esta pica toda!", mas mantive-me bem a subir e a meio do caminho para a Peninha encontrámos o grupo do Carlos com alguns elementos que tinhamos conhecido no ano passado durante a travessia, eles decidiram acompanhar-nos um bocado.

Os travões deram-me confiança para descer da Peninha mesmo na zona com mais pedra, tarefa que andava a evitar nos últimos tempos, mas devagar lá cumpri toda a descida. Descemos depois em direcção à Azóia, subindo depois primeiro por estrada e depois de entrar no trilho a longa e penosa subida (o sol começa a aquecer) que nos levou de volta ao topo da serra.


As voltas no Monge, como de costume já fazem parte do banquete, completada a volta completa, descemos o Monge até aos Capuchos, e por estrada entrámos nos trilhos de novo no caminho do Miradouro descendo até à antiga fábrica das águas. O próximo desafio era fazer o rabinho de porco completo, primeiro a volta curta e depois a mais comprida... quando comecei a subir a curta pensei "pronto, estou arrumada, já perdi o gás, vou-me arrastar o resto do tempo, como é que vou fazer a volta comprida?", mas continuei a pedalar determinada e o topo veio rápido, aventurei-me a descer até à segunda parte e devo ter revigorado porque, apesar de algum esforço, consegui subir aqueles cotovelos inclinados sem os fazer esperar muito tempo...

A ideia era seguir dos Capuchos directamente para o carro, mas alguém mencionou a Barragem do Rio da Mula, e vamos não vamos, acabámos por todos decidir que ainda haviam forças... pelo que descemos até lá! A parte da subida da Barragem a caminho da Malveira que custa mais é mesmo a rampa inicial, depois é uma subida relativamente acessível pelo que chegámos mais ao menos juntos ao topo... daí foram as últimas subiditas até ao carro (a última por ter um topo inclinado já queimava), mas a partir daí era assim a ripar até ao alcatrão e daí até ao carro é praticamente sempre a descer!

Foi um excelente treino porque em menos de 40kms fizemos 1140m de acumulado e eu fiz a minha melhor média de sempre em Sintra, afinal parece que a corrida e os duatlos ajudam qualquer coisinha no btt... nem estou tão em baixo de forma como pensei que estava!

Sábado há mais e amanhã vou ver a prova de XCO ao Turcifal e apoiar as GIRLS!!!! :)

Comentários

Anónimo disse…
Boa miúda, este ano vais ver que a travessia vai correr bem melhor.
Daqui a pouco estás a fazer companhia ao Vasco, sempre lá na frente lol

bjs Carla
disse…
Estás feita numa durona! Este ano não me apanhas no 24h de Monsanto!

Força com os treinos.

Bjs.
Teresa Martins

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Trail do Castelejo

Aproveitando que iamos passar o Carnaval a Leiria e que tinha de me forçar a treinar, descobri que no domingo acontecia aqui pelas redondezas o Trail do Castelejo e convenci o CC a vir comigo.
Optámos pelo percurso de 22km, que dava para fazer um bom treino sem abusar demasiado, Sicó é daqui a 2 semanas! A altimetria não era assustadora, sabia que ia apanhar uma parede pequena logo no princípio (que não foi tão pequena como isso dada a inclinação da coisa) e depois uma subida de cerca de 3k do km 12 ao 15, mais coisa menos coisa.

Chegámos a horas de levantar o dorsal com calma, ir ao carro decidir o que levávamos ou o que ficava no carro, ir aquecer um bocadinho e ainda conversar com o André, primo do CC, que viria a ficar em 3.º da geral masculina dos 22km.
Fomos para a partida e conseguimos furar para não ficar muito atrás. Logo logo, partida dada! Arrancámos com pica e tentei seguir o CC, mas não, ele fura com uma pinta e deixei de o ver num instante. Avancei, tentando analisar qu…