Avançar para o conteúdo principal

Até às antenas de Montejunto...

Apesar da chuva, do vento e do frio... cheguei lá acima!

É verdade, apesar do boletim meteorológico não ser favorável, decidi que não ia adiar o meu épico dia de pedalada! :) Sem horas combinadas, despachei-me quando consegui e parti da Azambuja entre as 9h30 e as 10h!

Comecei com alguma serenidade, tinha logo a valente subida de alcatrão à saída da Azambuja que transpus com calma… no cimo, voltei a tirar o impermeável, que tinha vestido por causa do vento, antes que começasse a ficar muito quente! Continuei por trilhos e de repente cai uma carga de água brutal… por momentos duvidei se deveria continuar, mas, assim como veio, foi!!!

Continuei… apesar de ter feito este percurso o ano passado, já não me lembrava de muitos pormenores, como por exemplo, apanharmos muito alcatrão antes de chegar a Montejunto.

Ia vendo Montejunto ao longe ora muito enublado (a cair uma carga de água por lá) ora limpo, e tive sorte porque quando me aproximei estava limpinho, já me estava a imaginar a fazer a grande subida desde São Salvador à chuva… SAFA!

No cimo parei para o primeiro abastecimento, mas sem perder muito tempo, começava a enublar novamente e estava vento, fiz-me ao caminho até chegar a Montejunto propriamente dito, comecei a percorrer os trilhos e em sentido contrário, passou um grupo de bbtistas em treino, no qual estava incluído o Marco Sousa, iam cá com uma pedalada! Lá continuei no meu ritmo infernal (LOL), e fui subindo, subindo, subindo, e para muito gládio meu, consegui fazer todas as subidas, inclusive as duas mais técnicas com muita pedra!

Finalmente cheguei à estrada… ah, era aquela parte que tinha de subir, subir, subir! Ainda parei momentaneamente no parque de merendas, mas decidi que faria o próximo abastecimento nas antenas, por isso, continuei a subir, subir, subir até lá acima… enquanto subia só pensava, mas afinal isto é mais longe do que eu pensava! :P Lá em cima, estava muito vento e muito frio, no cimo, junto a uma antiga capela, tirei a foto para “recuerdo”, comi uma barrita e meti-me novamente a caminho, primeiro até à zona militar e finalmente voltei a descer…. Medo, muito medo, as vergastadas do vento eram tais que tinha de fazer força para me manter a direito e tinha de ir a travar bastante na descida para não ser atirada para a berma! BOLAS!

Desci, desci, até voltar a apanhar de novo o track que me faria percorrer a primeira parte do trilho até à descida que me levaria à Abrigada. Desta vez não me lancei como no ano passado (em que atingi a minha velocidade máxima de sempre - 65km/h), o vento também não o permitiria, já que vinha de frente e acabava por travar um pouco.

Na Abrigada parei no café para comprar uma garrafa de água, e quando arranquei começou a cair uma chuvada, a mais longa do dia, ainda foram uns bons 20 minutos de chuva… mas percorri os trilhos com vontade de chegar ao fim o mais depressa possível, pelo que até perto de Vila Nova da Rainha fui sempre numa velocidade média alta.

Mas para o fim estava guardado ainda um “doce”, umas subidinhas jeitosas antes de chegar ao alcatrão que me levaria de novo à Azambuja… nessa altura, comecei a sentir uma dor/tensão no pescoço, já não tinha posição para estar, mas lá fiz as subidas com calma, embora me sentisse um bocado enjoada. Lá cheguei ao alcatrão, era quase sempre a descer até ao carro!!!!

Que bom chegar com um sentimento de dever cumprido! :) Foi um óptimo dia de pedaladas ;)

Ainda lanchei no cafezinho da rua, e fui visitada pelo Jorge (JMG) e pela Ana que chegavam a casa com os gémeos e viram a bike no carro! Muito catita!!! :)

Comentários

Miguel disse…
Se o tempo não estivesse armado em malandro ainda nos cruzávamos por lá. Assim, estivemos desencontrados por 24 horas. O nosso trilho também foi outro. Mas o objectivo o mesmo: antenas de Montejunto.

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Trail do Castelejo

Aproveitando que iamos passar o Carnaval a Leiria e que tinha de me forçar a treinar, descobri que no domingo acontecia aqui pelas redondezas o Trail do Castelejo e convenci o CC a vir comigo.
Optámos pelo percurso de 22km, que dava para fazer um bom treino sem abusar demasiado, Sicó é daqui a 2 semanas! A altimetria não era assustadora, sabia que ia apanhar uma parede pequena logo no princípio (que não foi tão pequena como isso dada a inclinação da coisa) e depois uma subida de cerca de 3k do km 12 ao 15, mais coisa menos coisa.

Chegámos a horas de levantar o dorsal com calma, ir ao carro decidir o que levávamos ou o que ficava no carro, ir aquecer um bocadinho e ainda conversar com o André, primo do CC, que viria a ficar em 3.º da geral masculina dos 22km.
Fomos para a partida e conseguimos furar para não ficar muito atrás. Logo logo, partida dada! Arrancámos com pica e tentei seguir o CC, mas não, ele fura com uma pinta e deixei de o ver num instante. Avancei, tentando analisar qu…