Avançar para o conteúdo principal

Triatlo de Lisboa | em modo super sprint

Apesar de no início da época ter ansiado pela minha estreia num triatlo olímpico e de ter apontado Lisboa para essa mesma estreia, ainda não foi este ano. Não foi porque a época foi algo condicionada por diversos factores que me levaram a não se sentir em condições para alinhar no olímpico já este ano.

E na verdade, ainda bem, porque se o meu maior receio era a preparação para o segmento de natação, a dura natação que as meninas tiveram de enfrentar deixou-me aliviada por não ter tido de enfrentar eu mesma aquele cenário...

Mas, não me tendo lançado para o olímpico não foi razão para me colocar apenas no papel de espectadora, pelo que alinhei novamente na prova aberta, em distância super sprint. E por ser repetente nesta prova, isso obrigou-me, claro está, a impor-me um objectivo mais ambicioso face ao tempo que fiz no ano passado. Nada como partir com a fasquia elevada ;-)

Ia ser uma prova muito participada, como o são todas as provas nas imediações de Lisboa, sobretudo estas distâncias mais curtas, ambicionadas para quem quer experimentar as lides do triatlo. Nesta situação estava o meu amigo Jaime, que já tendo experimentado um duatlo no passado, apresentava-se hoje para experimentar o seu primeiro triatlo (e o seu novo fato isotérmico), apoiado pela Carlita que não se mete nestas coisas que envolvem água... pedalar e correr tudo bem, agora chapinhar no meio de 2 centenas de pessoas é outra coisa!

E foi realmente no meio de mais de 200 pessoas que se desenrolou esta prova aberta, sendo, portanto, um segmento de natação animado, onde se esperaria muita confusão. E pois que assim foi, arranca a prova e larga tudo direito à primeira bóia, e no meio da estalada e do pontapé, consigo lá chegar inteira e depois disso foi quase um passeio... senti que me tinha corrido bem, soube no final que tinha tirado um minuto ao tempo que tinha feito no ano passado!

Toca a correr para a transição, sacar do fato, calçar os sapatos e pegar na bike e seguir a arrepiar caminho por ali a fora... ia cheia de pica e fiz um ciclismo forte dentro daquilo que conseguia, procurei rodas, procurei companhia para trocar e ainda consegui durante algum tempo, mas como sempre os retornos nem sempre são meus amigos e lá tive de me esforçar, levar com o vento até encontrar outra roda! No meio de tudo isto, ouvi vários incentivos de pessoal que gritava o meu nome... a Catarina Dinis e o Miguel, foram uns deles, os meus apoiantes directamente da Madeira ;-)

A transição para a corrida não foi a melhor, atrapalhei-me a tirar os sapatos e a calçar as sapatilhas, mas tentei compensar saindo forte... o problema é que tinha puxado muito na bike e se as pernas até aguentavam, a respiração queixou-se a meio caminho e bastante ofegante lá fui controlando o ritmo que me deixou chegar ao fim uns segundos acima do meu objectivo inicial, mas que retirou 2 minutos ao tempo de 2012: 34m22s! O que me deixou cheia de ânimo!

Com mais ânimo fiquei quando à noite vi que tinha sido 3.ª SENF (em 17), mesmo não tendo havido pódios de escalões, é um resultado animador! Fui 16.º Fem (em 44) e 109.º à geral (em 219)...

O pior mesmo é que acabou a época, agora que as coisas começavam a encarreirar ;-)


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Meia Maratona de Lisboa

Parece que já não fazia uma meia maratona de estrada desde 2013, muito bem acompanhada pela minha madeirense preferida, a Catarina Dinis, cujo relato podem ler aqui no blog, e que terminei em 1h49m40s.

Nessa altura fiz treino específico e praticamente dei cabo de mim (fiz uma lesão na anca que me deu luta durante uns meses), nada disso aconteceu desta vez ;-)

Desta vez o treino é específico para trail, desta vez não houve cá descanso nas vésperas da prova (fiz treino de ciclismo e trail na véspera), desta vez não houve semana levezinha (treinei todos os dias só folguei, como habitualmente, na sexta-feira)... o foco não era esta prova, se bem que eu tinha um objectivo na cabeça que queria mesmo muito cumprir! Queria bater o meu recorde pessoal e se possível, queria terminar abaixo da 1h45m!

No entanto, havia uma certa e determinada (tempestade) Félix no ar que provocou uma alteração no local da partida - desta vez não passámos a ponte 25 de Abril - e nos fez comer vento e granizo no l…

IX Trail Longo de Conímbriga Terras de Sicó

Para esta prova consegui convencer a minha lebre a vir comigo, não só apenas à prova, mas fez-me companhia praticamente toda a prova, uma raridade nos últimos anos ;-) No início até tive pena dele porque eu não dava mais e ele estava cheio de gás... mas ele ficou comigo! Isto é amor, senhores! <3
Fomos de véspera com os miúdos levantar os dorsais e para ver algum pessoal do longo a chegar... valentes! A minha filha delirou com o ambiente... mas não do trail... mas sim do rancho folclórico que estava a actuar :-) :-) :-)

No dia seguinte, tinhamos de chegar antes das 8h30 para tirar a foto de equipa conforme tinhamos combinado e assim foi, cheguei on schedule ;-)



Cumpridas todas as tarefas pré-prova, bora lá para a partida que já estava bem cheia e pouco deu para furar... tenho de trabalhar melhor esta cena de chegar cedo à partida!

Partida dada e vamos em euforia percorrendo as ruas de Condeixa-a-Nova...

Daí a Conímbriga foi um pulinho, sempre à morte... e era exactamente como me s…