Avançar para o conteúdo principal

Trilhos e courelas

O João desafiou-me a acompanhá-lo a seguir um track que lhe arranjou um amigo. Era o track do passeio “trilhos e courelas” de 2007 a.k.a. Maratona de Vendas Novas.

Lá fomos nós contentes da vida, direitos a Vendas Novas… Já não começámos cedo porque tínhamos tido um jantar prolongado no dia anterior, já passavam das 10h quando nos fizemos à estrada, mas reinava a boa disposição!

Mas assim que saímos do alcatrão, o primeiro sinal que a coisa não ia ser fácil… lama por todo o lado… e foi assunto para o caminho inteiro, mais ou menos barrenta, mais ou menos escorregadia, mais ou menos seca mais ou menos bloqueadora das rodas…
Além da lama, os portões… Sei lá quantos portões abrimos e fechámos e quantos tivemos de saltar por não os conseguirmos abrir!

Que mais? Gado: ora mémés (tivemos um cordeirinho irrequieto que nos seguiu durante um pedaço sem nos querer largar, o pior é que a mãe tb vinha atrás – dá-lhe gás);-), ora Vacas e Bois e respectivos resíduos orgânicos (e o tal do pânico por tê-los a seguir-nos com os olhos enquanto continuavam a ruminar, a ruminar), e até cavalos…

Também nos perdemos - o que resultou em mais 5kms de pedalanço – porque não interpretámos bem o que o GPS nos quis dizer, nem acreditámos quando 5kms depois estávamos no mesmo local e a rota era claríssima!!! (maçaricos)

O pior momento do dia? Quando faltava menos de 10kms para terminar (sim, e já depois do meu espalho que quase resultou num novo entorse do pé direito), deparámo-nos com uma vedação de arame farpado que não tinha fim (nem portões) e o pior é que o track seguia para o outro lado!!! As investigações duraram largos minutos: 1.º) como saltar a vedação sem nos chinarmos todos no arame farpado, 2.º) validar se não existiam alternativas para norte ou para sul (não haviam) – impasse – valeu-nos um caçador que apareceu do outro lado da vedação e com a ajuda dele (vá, e uns pontapés certeiros) conseguimos alargar o arame para passar entre o arame farpado (por isso pedimos desculpa ao proprietário)!

Para acabar bem, a tal da lama que bloqueia pneus… já o desespero bloqueava o cérebro… eram 4 e tal da tarde e nunca mais acabávamos… foram os 50kms mais longos da minha vida :-)

Chegámos ao carro às 17h, sem almoço (uma barra e meia e um cubo de marmelada foi o q comi durante aquelas longas horas) e com um empeno daqueles!!! Mas foi cá uma felicidade!!!!

Para memória futura, não ir atrás de tracks antigos de passeios em sítios desconhecidos…. Vivendo e aprendendo!!!

Para terminar, fomos ao Migalhas a Pegões para a sopa e a bela bifana (obrigada Jaime pelas indicações)!!!

As imagens para recordar:

Comentários

lidia disse…
Eheeh Ganda Soraia...consegues surpreender-me, confesso k mesmo antes de te conhecer melhor pensava "betinha...", ms viria a enganar-me e em muito.Afinal és uma corajosa,aventureira e tens mt pedal. Não páres rapariga...grande relato, no final é sp a sensação de "dever cumprido", né? Voa....e vai onde o oregão te levar eheeh
Um grande beijinho-.....

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Meia Maratona de Lisboa

Parece que já não fazia uma meia maratona de estrada desde 2013, muito bem acompanhada pela minha madeirense preferida, a Catarina Dinis, cujo relato podem ler aqui no blog, e que terminei em 1h49m40s.

Nessa altura fiz treino específico e praticamente dei cabo de mim (fiz uma lesão na anca que me deu luta durante uns meses), nada disso aconteceu desta vez ;-)

Desta vez o treino é específico para trail, desta vez não houve cá descanso nas vésperas da prova (fiz treino de ciclismo e trail na véspera), desta vez não houve semana levezinha (treinei todos os dias só folguei, como habitualmente, na sexta-feira)... o foco não era esta prova, se bem que eu tinha um objectivo na cabeça que queria mesmo muito cumprir! Queria bater o meu recorde pessoal e se possível, queria terminar abaixo da 1h45m!

No entanto, havia uma certa e determinada (tempestade) Félix no ar que provocou uma alteração no local da partida - desta vez não passámos a ponte 25 de Abril - e nos fez comer vento e granizo no l…

IX Trail Longo de Conímbriga Terras de Sicó

Para esta prova consegui convencer a minha lebre a vir comigo, não só apenas à prova, mas fez-me companhia praticamente toda a prova, uma raridade nos últimos anos ;-) No início até tive pena dele porque eu não dava mais e ele estava cheio de gás... mas ele ficou comigo! Isto é amor, senhores! <3
Fomos de véspera com os miúdos levantar os dorsais e para ver algum pessoal do longo a chegar... valentes! A minha filha delirou com o ambiente... mas não do trail... mas sim do rancho folclórico que estava a actuar :-) :-) :-)

No dia seguinte, tinhamos de chegar antes das 8h30 para tirar a foto de equipa conforme tinhamos combinado e assim foi, cheguei on schedule ;-)



Cumpridas todas as tarefas pré-prova, bora lá para a partida que já estava bem cheia e pouco deu para furar... tenho de trabalhar melhor esta cena de chegar cedo à partida!

Partida dada e vamos em euforia percorrendo as ruas de Condeixa-a-Nova...

Daí a Conímbriga foi um pulinho, sempre à morte... e era exactamente como me s…