Avançar para o conteúdo principal

Trail do Marão

Um dos grandes desafios de início de época era este Trail do Marão, uma vez que era a prova com maior acumulado que iria fazer até agora. Sabia que tinha de a enfrentar com mais calma, mas não tinha dúvidas que a iria concluír!

Fui em família para Amarante. Conseguimos sair cedo na sexta para podermos fazer a longa viagem com calma e para podermos jantar a horas com os meninos e ainda levantar o dorsal.

E assim foi, chegámos por volta das 19h, levantámos o dorsal, fomos ao hotel, mas o restaurante para o qual tinhamos feito reserva estava uma confusão... longa espera para jantar e terminámos perto das 23h. No entanto, foi mesmo a tempo para podermos ver a partida às 23h da prova dos 105km que iria enfrentar a noite, a chuva que entretanto voltava a cair, o frio e ainda o gelo/neve nas zonas mais altas. De seguida toca a ir dormir!

De manhã, rumei à prova para me encontrar com os colegas da Strendure Running Team, uma vez que iriamos ter de apanhar autocarro para a partida, que o fizessemos juntos de forma a podermos conversare trocar experiências. E assim foi, e ainda deu para tirarmos uma foto grupo (quase) todo.

Ricardo, eu e a Sabrina (faltou o Pedro)
Faziamos aqui a estreia da camisola da equipa :-)


Assim que o Pedro chegou, lá apanhámos quase o último autocarro e fomos lá atrás, no último banco na conversa boa até Ovelhinha, em Gondar, de onde partiria a prova dos 25km.

Ainda tinhamos pela frente longos minutos, o que chegou para um veste e despe do impermeável devido à chuva que de vez em quando caia.


Partida dada pelas ruas estreitas do vilarejo, com direito a engarrafamento com paragem e/ou caminhada lenta, passados os estreitamento, voltámos a conseguir correr, em subida, como seriam praticamente os seguintes 11 kms! Não durante muito tempo... pelo menos eu, rapidamente comecei a acusar tensão nos gémeos dada a inclinação e o cansaço que já trazia para a prova. 




Muita caminhada e relativamente pouca corrida até ao 1.º abastecimento, onde estava a minha claque preferida. Para além das pendentes, muita lama e riachos onde molhar os pés desde o km4 :-P

@Carlos Pereira
Foi tão bom sair do trilho e ver os meus filhotes e o meu CC à minha espera e a puxar por mim! Com direito a fotos especiais, foi um abastecimento em que demorei um pouco, mas que me deixou mais leve.
Foto tirada pelo meu CC e gentilmente limpa de um plástico azul manhoso pelo Gonçalo Pais :-)

O elemento mais pequeno da claque a chamar por mim


Continuariamos a subir até sairmos da terreola...
@Karina Rocha
Apanhariamos uma subida até ao ponto mais alto onde caiu um belo granizo que me obrigou a recorrer ao impermeável que tinha guardado na mochila. E que bem que me soube ;-) Só o abri no topo, mesmo antes de começar a descer para mostrar a camisola da Strendure ao fotógrafo que lá estava :-D
@Fernando Ramos
A partir daqui o meu corpo a quem entretanto tinha dado uma valente dor de barriga, lá recuperou com o embalo da descida e acordou. E lá recuperei 16 lugares em F e 8 lugares no escalão F40.



Passei em trilhos tão bonitos, com ribeiras e levadas, e, revigorada que estava, voltei a conseguir subir com mais cadência e a descer o melhor que sei.



No 2.º abastecimento, comi pouco, nem dei conta que haviam Salt Bar, só via a minha claque reduzida, já que o mais novo tinha adormecido e estava no carro ao lado deles que estavam cá fora na estrada. Mas foi mais um boost de energia, e ainda me livrei do impermeável que vinha amarrado à cintura.

A mandar beijinhos à minha claque
A partir daí foi a curtir, ainda com algumas subidas, mas já com sentido na meta, as descidas eram nesta altura as rainhas e aproveitei-me delas o mais que pude.

No final, aplanava, e apanhavamos um trilho junto ao Tâmega que nos iria levar à meta. Começava a cair uma chuva chata e a energia começava a baixar. Tentei manter a passada e não baixar o ritmo, mas começava a sentir-me cansada.

Aqui veem-se as gotas grossas de chuva a cair sem misericórdia

@Photography Vieirinha
Mas a meta era já ali, num instante cheguei lá e fui recebida - dentro da tenda, porque cá fora chovia muito - pela minha claque completa ;-) Empenada, mas feliz! :-)


Não fiz um tempo brilhante, mas foi o que o meu corpo me deixou, e estou grata por isso! Terminei com 03:51:28, fiz 279 à geral (em 520), 34 em Femininos (em 116) e 12.º no meu escalão F40 (em 49).

Strendure Running Team
Strendure - Trail Running Endurance Coaching
Habilitare - Medicina Integrativa
#soalheiro
#bethewolf
https://trailrunningcoach.pt

Para comemorar o belo empeno fomos ao fantástico restaurante Pena, para um belíssimo jantar acompanhado de Soalheiro ;-)


A manhã seguinte ainda foi passada em Amarante a passear e a visitar o museu Amadeo Souza Cardoso, e a encontrar amigos que não via há anos (meus antigos chefes dos escuteiros) dentro da Igreja de S. Gonçalo! :-)

Relive 'Morning Run'


ps - Algumas fotos sem créditos foram tiradas pelo meu CC e outras por outro atleta que por agora não me recordo o nome, mas assim que redescobrir irei fazer-lhe referência já que mostram tão bem algumas zonas fantásticas da prova.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Meia Maratona de Lisboa

Parece que já não fazia uma meia maratona de estrada desde 2013, muito bem acompanhada pela minha madeirense preferida, a Catarina Dinis, cujo relato podem ler aqui no blog, e que terminei em 1h49m40s.

Nessa altura fiz treino específico e praticamente dei cabo de mim (fiz uma lesão na anca que me deu luta durante uns meses), nada disso aconteceu desta vez ;-)

Desta vez o treino é específico para trail, desta vez não houve cá descanso nas vésperas da prova (fiz treino de ciclismo e trail na véspera), desta vez não houve semana levezinha (treinei todos os dias só folguei, como habitualmente, na sexta-feira)... o foco não era esta prova, se bem que eu tinha um objectivo na cabeça que queria mesmo muito cumprir! Queria bater o meu recorde pessoal e se possível, queria terminar abaixo da 1h45m!

No entanto, havia uma certa e determinada (tempestade) Félix no ar que provocou uma alteração no local da partida - desta vez não passámos a ponte 25 de Abril - e nos fez comer vento e granizo no l…