Avançar para o conteúdo principal

Meia Maratona de Lisboa

(c) Run 4 FFWPU
Parece que já não fazia uma meia maratona de estrada desde 2013, muito bem acompanhada pela minha madeirense preferida, a Catarina Dinis, cujo relato podem ler aqui no blog, e que terminei em 1h49m40s.

Nessa altura fiz treino específico e praticamente dei cabo de mim (fiz uma lesão na anca que me deu luta durante uns meses), nada disso aconteceu desta vez ;-)

Desta vez o treino é específico para trail, desta vez não houve cá descanso nas vésperas da prova (fiz treino de ciclismo e trail na véspera), desta vez não houve semana levezinha (treinei todos os dias só folguei, como habitualmente, na sexta-feira)... o foco não era esta prova, se bem que eu tinha um objectivo na cabeça que queria mesmo muito cumprir! Queria bater o meu recorde pessoal e se possível, queria terminar abaixo da 1h45m!

No entanto, havia uma certa e determinada (tempestade) Félix no ar que provocou uma alteração no local da partida - desta vez não passámos a ponte 25 de Abril - e nos fez comer vento e granizo no lombo como gente grande!

Mas o Félix foi amiguinho e enganou-nos bem, a partida, apesar de fresquinha, foi acompanhada de solito e conseguimos ficar secos. Eu e o meu CC, que desta vez ia fazer a prova ao seu ritmo, não havia cá lebres para ninguém, enquanto tentávamos chegar o mais à frente possível na partida encontrámos o meu querido amigo AM com quem tinha estado da última vez no Fim da Europa (nota: também bateu o seu recorde pessoal! PARABÉNS!)


Espera não espera e é dada a partida, a multidão segue furiosa num ritmo infernal e eu, deixo-me levar. Percebo que vou num ritmo elevado, mas estava-me a sentir tão bem que me deixei ir, pensando que, apesar de poder estoirar mais à frente, ao menos poderia criar aqui uma almofada para fazer face a algum contratempo.

E assim foi, cumpria os primeiros 10km em 47m26s, pouco acima do meu melhor tempo, mas e agora? Como é que eu ia fazer face ao vento que iria soprar de frente desde que dávamos a volta no Cais do Sodré? A minha estratégia foi ir encontrando "costas", a primeira foi uma nórdica de pelo menos 1metro e 80 que ia com uma boa passada até deixar de ir... siga, próximo... e fui saltitando assim, de costas para costas, tentado evitar o vento forte que soprava furioso!

A coisa piorou ao chegar a Belém, aí é que a violência do vento me desmoralizou um pouco, mas não ia deixar que um "ventinho" pusesse em causa o meu objectivo. Cerrei os dentes e continuei. Mesmo com um abanão lateral ou outro que me deslocou na estrada.

Já no Dafundo, o tempo começa a mudar. Céu preto, rajadas fortes de vento e um "vem lá chuva" ao que respondo "que seja pelas costas!". Só que não! Ia comer com o granizo todo de frente! Todo! Na viragem já a fúria do Félix tinha abrandado novamente, nem umas rajadas fortes na minhas costas para ajudar, nada!

Daí até à meta ainda é um bocadinho, mas é aquele bocadinho que já se faz a saber que a meta é já "ali"... E eu continuava a acreditar! Quando a passada abrandava, voltava a meter ritmo. E no último km, com o CCB como pano de fundo puxei novamente para garantir que o objectivo não me escapava!
(c) Pedro MF Mestre - ammagazine
(c) Pedro MF Mestre - ammagazine

E não escapou, fui sub-1h45 como me propus. Nem o Félix me derrubou ;-) E o sorriso ninguém mo tira! :-D


#strendure
#strendurerunningteam
#soalheiro
#habilitare

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

IX Trail Longo de Conímbriga Terras de Sicó

Para esta prova consegui convencer a minha lebre a vir comigo, não só apenas à prova, mas fez-me companhia praticamente toda a prova, uma raridade nos últimos anos ;-) No início até tive pena dele porque eu não dava mais e ele estava cheio de gás... mas ele ficou comigo! Isto é amor, senhores! <3
Fomos de véspera com os miúdos levantar os dorsais e para ver algum pessoal do longo a chegar... valentes! A minha filha delirou com o ambiente... mas não do trail... mas sim do rancho folclórico que estava a actuar :-) :-) :-)

No dia seguinte, tinhamos de chegar antes das 8h30 para tirar a foto de equipa conforme tinhamos combinado e assim foi, cheguei on schedule ;-)



Cumpridas todas as tarefas pré-prova, bora lá para a partida que já estava bem cheia e pouco deu para furar... tenho de trabalhar melhor esta cena de chegar cedo à partida!

Partida dada e vamos em euforia percorrendo as ruas de Condeixa-a-Nova...

Daí a Conímbriga foi um pulinho, sempre à morte... e era exactamente como me s…