Avançar para o conteúdo principal

Mais um capítulo em Sintra...

Este capítulo inicia-se como sempre na Panisol, por volta das 8h30, depois deixamos o carro no largo do chafariz na Malveira! Somos eu, o Jorge, o Miguel, o João, o Sérgio e o Amaral. Ainda se juntaram mais 2 que chegaram quando iamos arrancar, conhecidos do Jorge, mas como nunca cheguei à frente, nunca cheguei a falar com eles :-P

Como já seria de esperar, com um grupo quase exclusivamente masculino, desatou tudo numa correria no início, e eu que gosto de inícios suaves, lá tentei acompanhar “de longe” o passo deles e fui andando, claro que com 3,5kms de percurso me sentia exausta, mas porque tinha estado a puxar sem aquecer…. Mas lá fui aquecendo, subindo devagar até à Pedra Amarela! Entrei entretanto em velocidade cruzeiro, baixinha, porque era quase sempre a subir, mas confortável qb para não me queimar toda e poder manter-me sempre a pedalar; pois como eu já o sabia, numa volta com o Jorge, subir é sempre a nota dominante…

Não posso deixar de referir que a visibilidade estava excelente, e a vista de cortar a respiração, sobretudo na parte que sobe da Pedra Amarela para a Peninha, ao longe avistava-se a Arrábida envolta em nuvens, que maravilha de cenário, é por estes momentos que pedalo!!! Que pena não ter levado a máquina fotográfica…

A descida da Peninha estava muito seca e perigosa, as pedras afiadas estavam todas ansiosas pelo contacto humano, e como me sentia um bocadinho a derrapar, decidi não arriscar e desmontar naquele pedaço!

Passado um pouco, separei-me do restante grupo, eles iam fazer a subida interminável dentro do Monge e fui por um caminho mais soft, lá passei pelo sítio de piqueniques, e fui dar à estrada que vai dar acesso à Peninha, subi ao início dos trilhos de downhill e entrei novamente nos trilhos que dão acesso ao Monge. Depois de fazer um ponto de situação com eles para saber onde nos encontraríamos novamente, lá nos encontrámos e descemos o Monge até aos Capuchos e daí fomos direitos à descida do Miradouro que vai dar à antiga fábrica da água, subimos e duas opções para o Rabinho de Porco: a fácil e a difícil. Eu e o Amaral atacámos a fácil e o resto da maltinha foi para a difícil…

Voltámo-nos a encontrar no cruzamento dos Capuchos, despedimo-nos do Sérgio e do Amaral que seguiram para o carro e eu decidi ir com os restantes descer até à barragem do Rio da Mula e subir até ao portão já a caminho da Malveira, isto porque, mesmo cansadita, só tinha 23kms nas pernas e achei prematuro desistir logo ali, embora soubesse que os ia atrasar um bocadinho, mas tinha de o fazer!!!

Depois de fazermos alguns trilhos, passarmos nos 4 caminhos, lá apanhámos a descida dos jipes, foi descer, descer, descer, soube bem, mas no final já estava cansada de tanta descida… :) Depois fizemos uns trilhos que não conhecia, muito giros, que ligam aquela zona à barragem da mula, uma vista dos montes para cima fantástica (apesar de saber que tinha de voltar lá para cima). Lá chegamos à barragem e apanhamos o estradão que liga ao caminho do costume, o Miguel despediu-se e foi andando, eu vinha concentrada nas minhas pedaladas, na minha respiração, não querendo deixar de subir tudo o que tinha direito… :)

Lá cumprimos o restante trajecto do costume até ao carro, cheguei cansada mas de barriguinha cheia… vale realmente a pena acordar às 7h da manhã a um domingo por uma manhã destas!

Quando é que chega o próximo fim-de-semana???? :D

Comentários

Anónimo disse…
Que saudades dessas barrigadas de subidas!!!!
Infelizmente o Jaime não se sentia muito bem da perna, e acabámos por não pedalar.
Parece que já não sei o que fazer aos domingos de manhã.
Carla

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Meia Maratona de Lisboa

Parece que já não fazia uma meia maratona de estrada desde 2013, muito bem acompanhada pela minha madeirense preferida, a Catarina Dinis, cujo relato podem ler aqui no blog, e que terminei em 1h49m40s.

Nessa altura fiz treino específico e praticamente dei cabo de mim (fiz uma lesão na anca que me deu luta durante uns meses), nada disso aconteceu desta vez ;-)

Desta vez o treino é específico para trail, desta vez não houve cá descanso nas vésperas da prova (fiz treino de ciclismo e trail na véspera), desta vez não houve semana levezinha (treinei todos os dias só folguei, como habitualmente, na sexta-feira)... o foco não era esta prova, se bem que eu tinha um objectivo na cabeça que queria mesmo muito cumprir! Queria bater o meu recorde pessoal e se possível, queria terminar abaixo da 1h45m!

No entanto, havia uma certa e determinada (tempestade) Félix no ar que provocou uma alteração no local da partida - desta vez não passámos a ponte 25 de Abril - e nos fez comer vento e granizo no l…

IX Trail Longo de Conímbriga Terras de Sicó

Para esta prova consegui convencer a minha lebre a vir comigo, não só apenas à prova, mas fez-me companhia praticamente toda a prova, uma raridade nos últimos anos ;-) No início até tive pena dele porque eu não dava mais e ele estava cheio de gás... mas ele ficou comigo! Isto é amor, senhores! <3
Fomos de véspera com os miúdos levantar os dorsais e para ver algum pessoal do longo a chegar... valentes! A minha filha delirou com o ambiente... mas não do trail... mas sim do rancho folclórico que estava a actuar :-) :-) :-)

No dia seguinte, tinhamos de chegar antes das 8h30 para tirar a foto de equipa conforme tinhamos combinado e assim foi, cheguei on schedule ;-)



Cumpridas todas as tarefas pré-prova, bora lá para a partida que já estava bem cheia e pouco deu para furar... tenho de trabalhar melhor esta cena de chegar cedo à partida!

Partida dada e vamos em euforia percorrendo as ruas de Condeixa-a-Nova...

Daí a Conímbriga foi um pulinho, sempre à morte... e era exactamente como me s…