Avançar para o conteúdo principal

Cascais Trail Experience

Este domingo estava inscrita em mais um trail do circuito Lisboa Trail by Buff, mantendo-me distância curta que o treino não abunda por estes lados.

Sábado estava um dia espectacular, mas, perguntam vocês, como é que amanheceu domingo? Com um dilúvio, pois claro! Já mal dizia a minha vida, que o circuito estava malfadado, que já me tinha bastado a molha de Bellas, mas na verdade, salvo a mudança de outfit, meti-me no carro resignada a apanhar uma senhora molha!

A bem dita viagem de carro foi feita sob chuva e vento, mas, miraculosamente, assim que saímos da A5 a chuva deu tréguas e não mais a vimos.

Após um aquecimento colectivo, para o qual eu estava curta de espaço e por isso não aproveitei em todo o seu potencial, lá nos dirigimos à partida. Nós: eu, o CC (aka Ana Cristina Pançadas ahahahah) e a Suzana Faria.

Partida dada, estávamos mesmo cá atrás e por isso tínhamos de dar à perna para começar a passar pessoal, como o início é feito em estrada é mais fácil e claro, o CC tem sempre uma pressa desgraçada e segui-lo é tarefa árdua! A Suzana preferiu arrancar com mais calma, é rapariga de negative splits ;-)

Em menos de nada estávamos a descer uma calçada escorregadia que nos haveria de dar acesso aos trilhos. Sempre que podia ultrapassava pessoal, nunca sabendo de que prova eram já que a partida foi simultânea para as 3 distâncias: curta (11k), longa (22k) e ultra trail (45k?). No entanto, rapidamente entrávamos num single track pelo que rapidamente o CC dizia que as classificações ficavam definidas no km2 :-P Mesmo assim continuava a matraquear-me aos ouvidos para ultrapassar mesmo não sendo possível... Foi aí que me arrependi de o ter "contratado" como lebre :-P

O trilho era mesmo fixe, numa determinada zona tivemos um vislumbre sobre a praia do Guincho e a Serra de Sintra... belíssimo! A parte seguinte era percorrer o passadiço da Duna da Cresmina, cerca de 1,5km de passadiço, ora sobe ora desce, com degraus incluídos, mas com o Guincho como pano de fundo.

Seguiu-se a parte que mais me custou, atravessar a praia do Guincho... não sei se foi o vento ou se foi a areia, só sei que só me apetecia mandar para o chão, mas lá continuei, estoicamente. Nessa altura a Suzana, que tinha passado por mim no final do passadiço, embalou e nunca mais a vi senão na meta! No final da praia subimos pela rocha para a arriba, seguindo a pequena rota marcada por aí até ao Forte do Abano, onde estava localizado o abastecimento, mas como só havia água nem parei. Era aí que existia a separação entre a prova curta e as mais longas.

Seguia-se uma bela subida de pedronga até ao marco geodésico do Barril e foi algures por aí que perdi momentaneamente o CC. No entanto, o percurso entrou numa fase rolante e eu voltei a encontrar-me. Consegui voltar a imprimir um ritmo porreiro e passar um ou outro "trailista". Entretanto, perto do cruzamento com a estrada da Malveira da Serra apanhei outro atleta e de repente estavamos na conversa sobre BTT na Serra de Sintra, isto sem abrandar o ritmo... ao passar a entrada comecei a sentir uns respingos nas costas, e apesar de sentir alguém a correr nas minhas costas não me lembrava de ter visto poças de água no chão... claro que não, era o CC a borrifar-me as costas com o bidão de água :-P

Umas poucas dezenas de metros e estávamos a trepar por um caminho por rocha que me fazia recear por uma cãibra dado o ritmo que tinha vindo a meter. Mas lá me safei e estávamos mesmo mesmo a chegar. Uma voltinha pelas traseiras do recinto e entrávamos na meta! E só mesmo no limite é que deu uma de cavalheirismo ao CC e me deixou cortar a meta à sua frente... na verdade, à frente da Pancadinhas ;-)

Estava feito mais um. E este foi mesmo fixe! O terreno estava óptimo, as vistas eram fantásticas e eu diverti-me! Senti que a semana anterior sem crianças tinha sido bastante produtiva e me tinha dado um bom boost para esta prova.

Ficam umas imagens, poucas...



 



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Trail do Castelejo

Aproveitando que iamos passar o Carnaval a Leiria e que tinha de me forçar a treinar, descobri que no domingo acontecia aqui pelas redondezas o Trail do Castelejo e convenci o CC a vir comigo.
Optámos pelo percurso de 22km, que dava para fazer um bom treino sem abusar demasiado, Sicó é daqui a 2 semanas! A altimetria não era assustadora, sabia que ia apanhar uma parede pequena logo no princípio (que não foi tão pequena como isso dada a inclinação da coisa) e depois uma subida de cerca de 3k do km 12 ao 15, mais coisa menos coisa.

Chegámos a horas de levantar o dorsal com calma, ir ao carro decidir o que levávamos ou o que ficava no carro, ir aquecer um bocadinho e ainda conversar com o André, primo do CC, que viria a ficar em 3.º da geral masculina dos 22km.
Fomos para a partida e conseguimos furar para não ficar muito atrás. Logo logo, partida dada! Arrancámos com pica e tentei seguir o CC, mas não, ele fura com uma pinta e deixei de o ver num instante. Avancei, tentando analisar qu…