Avançar para o conteúdo principal

Triatlo de Lisboa * Olympic Plus | O meu primeiro olímpico

Este ano decidi arriscar!

Depois de o início de época ter sido adiado devido a lesão, a verdade é que voltei mais forte e com mais vontade, e mesmo com disponibilidade de treino limitada (mini me oblige à), com muito malabarismo à mistura consegui fazer uma preparação mínima para me propor a voos mais altos.

Dar o salto da distância sprint para a olímpica foi a decisão, difícil, sobretudo porque a natação me assustava muito, não sabia se me aguentava numa distância maior, necessitou de muita persistência e muita dedicação nos treinos para evoluir um bocadinho, o que não é fácil quando praticamente se treina sempre sozinha!

Mas lá me decidi, já que fui a convite da Charon, um dos patrocinadores da prova. Iria partilhar a prova com o CC, que iria claro fazer a distância mais longa, mas foi surpreendido cerca de uma semana antes com uma viagem de trabalho que iria impossibilitar a sua participação. Isto foi o meu pânico! ARGH! O meu primeiro olímpico e não ter o meu CC ao lado para partilhar a minha ansiedade...

Mas sou determinada e não foi isso que me impediu de avançar ;-)

Lá estava eu, na manhã da prova, pela fresquinha, para enfrentar o meu primeiro grande desafio da época, que na verdade, seria o meu primeiro triatlo da época já que a lesão me impediu ainda de estar em Alpiarça... imaginemos assim a ansiedade :-P

Fila para o parque, colocar material, ter a certeza que tudo estava a postos, colocar saco com bens pessoais no secretariado, e toca a vestir o fato e preparar-me para a natação... Estranho estar no meio de tanta gente e sentir-me tão só!

Hora de avançar, toca a corneta e toca a mergulhar nas águas do "lago do Oceanário", que por acaso não estavam muito frias. Dado que esta natação era mais curta que a natação comum de um olímpico (apenas 950m), a coisa foi mais rápida do que esperava, e até me senti bem, mesmo indo num ritmo forte para mim; quando saí pensei... se fosse 1500m não sei como ia aguentar mais uma volta :-P

Tento fazer uma transição rápida, e sigo para os 45km de ciclismo no IC2, duas voltas cujas inversões eram do lado norte do Vasco da Gama e no topo do acesso à A1 em Santa Iria. A ida era penosa por causa do vento Norte que se fazia sentir, mas o regresso, até para mim que sou uma empenada fazia-se a 40km/h (os não empenados faziam a bem mais). Este ciclismo teria uma particularidade, seria sem roda, algo a que não estava muito habituada, mas até correu bem!

Chego algo cansada, pedalei forte e a minha condição física ainda não é a melhor sobretudo quando faço a primeira prova da época numa distância desconhecida para mim, mas vou ter de aguentar as 2 voltas de corrida que se fazem no Parque das Nações.

O percurso não é fácil, muito empedrado, e o vento norte a fazer a ida até à Torre Vasco da Gama algo penosa, um gel para a carola para manter as pernas a rolar, é só um pé à frente do outro, e lá consegui, "arrastar-me" até à meta!

Melhor ainda, consegui chegar à meta bem abaixo do tempo planeado, em 3h01m54s ficando em 135º à geral (em 199), que como a prova é chamada Guerra dos Sexos, não há classificações por género porque as mulheres saem em adiantado com a diferença entre o 1.º atleta masculino e a 1.ª atleta feminina do ano anterior.

Fiquei muito contente por ter cumprido este desafio e ainda mais por ter sido submetida no final a uma excelente massagem a 8 mãos que me deixaram muito menos empenada nos dias seguintes!

Não posso deixar de agradecer ao Miguel Ferreira (que ainda não conheço pessoalmente mas é marido de uma amiga da adolescência que já não vejo à muito tempo) que assistiu à prova e que gentilmente me cedeu as várias fotografias que me tirou :-) Força Miguel, um dia espero estar eu do outro lado da lente a tirar fotos de uma prova tua!

Algumas das chapas para recuerdo ;-)


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Trail do Castelejo

Aproveitando que iamos passar o Carnaval a Leiria e que tinha de me forçar a treinar, descobri que no domingo acontecia aqui pelas redondezas o Trail do Castelejo e convenci o CC a vir comigo.
Optámos pelo percurso de 22km, que dava para fazer um bom treino sem abusar demasiado, Sicó é daqui a 2 semanas! A altimetria não era assustadora, sabia que ia apanhar uma parede pequena logo no princípio (que não foi tão pequena como isso dada a inclinação da coisa) e depois uma subida de cerca de 3k do km 12 ao 15, mais coisa menos coisa.

Chegámos a horas de levantar o dorsal com calma, ir ao carro decidir o que levávamos ou o que ficava no carro, ir aquecer um bocadinho e ainda conversar com o André, primo do CC, que viria a ficar em 3.º da geral masculina dos 22km.
Fomos para a partida e conseguimos furar para não ficar muito atrás. Logo logo, partida dada! Arrancámos com pica e tentei seguir o CC, mas não, ele fura com uma pinta e deixei de o ver num instante. Avancei, tentando analisar qu…