Avançar para o conteúdo principal

A Etapa da Volta

Assim sem mais nem quê, no último dia de inscrições, o CC desafia-me para irmos fazer a Etapa da Volta... volto a rever a informação de um desafio que havia sido eu a primeira a propôr há uns meses atrás.

Hmmmm.... 72kms? Em estrada? Nunca fiz mais de 40 e picos... e ainda por cima não faço ideia de como é o perfil altimétrico da coisa... não há-de ser nada... siga e depois logo se vê!

Mas na véspera o CC estava com febre e em muito más condições, e ele dizia-me que iamos na mesma para ver, mas que não iamos fazer o percurso, quanto muito faziamos a partida e depois voltávamos para trás.

Na manhã, pela fresquinha, arrancámos de Leiria para conseguirmos estar em Viseu antes das 8h45. Lá fomos nós, IP3 a fora, meio moles e cansados. Chegados a Viseu, fomos buscar os dorsais e voltámos ao carro para pegar nas bikes. Segundo a indicação que se mantinha, só levei um bidão de água e uma barrita... nem a banana dada pela organização comi.

Alinhámo-nos na partida, no meio de centenas de estradistas, rumo ao meu primeiro evento de estrada. Partida dada, mantemo-nos na rectaguarda já que a ideia era desmobilizar.

Seguimos com muita gente, sempre a um ritmo relativamente calmo, de passeio, uma vez que o andamento era controlado. Cada vez que havia uma subida chegavamos a parar, tal era a calmaria da coisa.

Os kms foram passando e eu perguntando ao CC: então? Estás bem? A resposta era sempre que sim, que seguiamos mais um bocadinho. O mais um bocadinho, foi-se tornando gradualmente num mais um bocadão, ou melhor, no até ao fim do percurso.... recordam-se: eu só levei um bidão, certo?

Pelo caminho ainda haviamos de perder o pelotão por causa de um pit stop que fizemos, mas como foi numa descida não podia ser melhor, foi prego a fundo por ali abaixo sem outros ciclistas a atrapalhar até os voltar a apanhar... foi a melhor parte até aquela altura!

Em São Pedro do Sul, o CC partilhou comigo a barra dele, ficando sem nenhuma, e passou-me o bidão de Isostar para ser eu a guardar.... mas entretanto começaram as subidas e ele entusiasmou-se.... nunca mais o vi até ao último km do percurso!

Mas apesar de ter ficado sozinha não foi factor para desmoralizar, antes pelo contrário, puxei mais forte, sempre a tentar dar o meu melhor para fazer um bom treino. Quando se está sozinha aproveita-se o percurso de outra forma: há maior introspecção, interacção com outros ciclistas, apreciação da paisagem e concentração na tarefa. Há também um ritmo muito próprio que se consegue por leitura directa de como nos sentimos, é muito interessante.

Foram subidas sem fim, sempre num pedalar constante, foram descidas alucinadas, com alguma cautela dada a inexperiência, foram rectas compridas em que as pernas se mexiam num pedalar forte e constante. Consegui, apesar de tudo, passar muita gente - leiam-se elementos do sexo masculino, isto porque mulheres eram muito poucas! - o que me deu especial prazer por ser uma iniciante nestas lides da estrada.

Aos 5kms para a meta começava o countdown dos kms. Nunca pensei que chegaria a esta fase a sentir-me bem e ainda com força. A entrada em Viseu é feita numa ligeira descida o que permite aproveitar o embalo e apreciar ainda mais os kms finais. A cerca de 1km da meta, vejo o CC encostado à beira da estrada. Estava à minha espera para cruzarmos juntos a meta. Esperou mais de 20 minutos, coitado!

Mas assim foi, cruzamos a meta juntos, de mão dada e braço no ar a comemorar. Mas com a outra no guiador que para pro ainda me falta muito ;) Valeu :)

Fotos não tenho, apenas a que tirei ao cronómetro da meta quando chegámos...




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Trilhos dos Reis

Não comecei 2018 da forma como gostava de ter começado.

Depois de me sentir fortíssima até meados de Dezembro, talvez tenha abusado e a minha canela direita não gostou... impediu-me inclusivé de desfrutar a minha última prova do ano, a São Silvestre de Lisboa de que tanto gosto!

No entanto, dia 1 de Janeiro de 2018, fui ver como o meu corpo tinha reagido à terapia que tinha feito no dia 29 de Dezembro. Fiz 30' de trail muito calminhos e senti-me bem. Nessa semana continuei, com medos e paninhos quentes a correr leve na passadeira para perceber se teria de abdicar também da minha primeira prova da época, algo que não queria nada que acontecesse.

Mas a sorte protege os audazes e a minha audácia relativamente aos planos para este ano é alguma, tendo assim sido bafejada com a sorte de me ir sentindo melhor a cada treino que fazia.

Na semana anterior aos Trilhos dos Reis tentei arranjar companhia para a viagem. Tinha-me mandado sozinha de cabeça para este desafio, o CC ficava com os me…

Trail do Castelejo

Aproveitando que iamos passar o Carnaval a Leiria e que tinha de me forçar a treinar, descobri que no domingo acontecia aqui pelas redondezas o Trail do Castelejo e convenci o CC a vir comigo.
Optámos pelo percurso de 22km, que dava para fazer um bom treino sem abusar demasiado, Sicó é daqui a 2 semanas! A altimetria não era assustadora, sabia que ia apanhar uma parede pequena logo no princípio (que não foi tão pequena como isso dada a inclinação da coisa) e depois uma subida de cerca de 3k do km 12 ao 15, mais coisa menos coisa.

Chegámos a horas de levantar o dorsal com calma, ir ao carro decidir o que levávamos ou o que ficava no carro, ir aquecer um bocadinho e ainda conversar com o André, primo do CC, que viria a ficar em 3.º da geral masculina dos 22km.
Fomos para a partida e conseguimos furar para não ficar muito atrás. Logo logo, partida dada! Arrancámos com pica e tentei seguir o CC, mas não, ele fura com uma pinta e deixei de o ver num instante. Avancei, tentando analisar qu…