sábado, 28 de fevereiro de 2009

Grande Rota Maníaca de Fevereiro

Estavam combinados para sábado 140kms de puro pedalanço Maníaco... A ideia era rumarmos via Caminhos de Fátima até Valada e daí seguirmos por Muge-Salvaterra Magos-VFXira-Sacavém.

O ponto de encontro foi no Carvão e saímos todos não muito depois da hora marcada :)

Via N10, rolámos até ao Sobralinho onde nos encontrámos com o AJ que nos acompanhou até à Azambuja, mas não sem pararmos de seguida em Alhandra para o primeiro furo do dia (e eles foram alguns... GRRRR....)! Kitos=1

Em Vila Franca, já depois de virmos a discutir o plano das festas pelo caminho, decidimos avançar mesmo com chuva, mas não pelo trajecto inicialmente proposto, para que, caso um dilúvio abatesse sobre as nossas cabeças, seria mais wise mantermos o comboio debaixo de olho, apoio que perderiamos se atravessassemos o rio. Assim, decidimos avançar até Santarém, e a volta seria de comboio ou a pedalar dependendo da vontade das pernas ;) Foi nesta altura que o Moreira disse "ah e tal, chuva e coiso, vou ali já venho..." e foi-se, diz-se que estava com medo chuva, mas lá no fundo, lá no fundo estava com medo de que eu tivesse de lhe trazer o camelbak ;)

Depois de Vila Franca, lá metemos para uma estrada mais secundária e deixámos a N10, fomos rolando e em Vila Nova da Rainha, nova concentração para decidir se faziamos desvio por terra ou seguiamos pela nacional... como o apelo à terra é forte, lá desviamos para "comer algum pó" até à Azambuja!



Os trilhos primeiro rolantes, começaram a subir e PIMBA... mais um furo! Luis=1 Enquanto o Luis dava conta do furo, a malta foi acabando o pequeno-almoço :) Acho que nessa altura se ligou ao Moreira a dizer que ali não estava a chover... :) :) :)
Tudo a começar a arrancar e de repente ouve-se FURO! Era o Kitos, como é que é possível? Lá cravavou uma câmara de ar (a de reserva já tinha ido) e eu disse-lhe "vê se o pneu não tem nada"... qual quê! Kitos=2

Tudo a andar, ou melhor, tudo a subir e lá chegámos finalmente ao alcatrão... ah bela descida para a Azambuja, tudo lançado e mesmo no fim... FURO!!!! ARGH... E não é que era o Kitos outra vez? Lá fiquei eu, a Carla e o AJ, a melgarmos-lhe a cabeça... Desta vez foi obrigado (sim, somos más!) a ver o pneu (ia ver nem que fosse com a língua...LOL) e voilá, 2 picos... GRRRR... O AJ cedeu a última câmara de ar disponível, já que tinha de se "pôr na alheta" (que expressão bonita) porque ia trabalhar à tarde, e nós ficámos a gozar com a triste sina do Kitos... Kitos=3

Lá apanhámos os restantes mais à frente, e metemo-nos a caminho que já tinhamos perdido muito tempo... nesta altura praticamente sempre por estradas secundárias, mantendo o alcatrão em contacto com os pneus porque os trilhos estavam alagados... foi sempre a dar até Valada!

Era aí o abastecimento, feitos parvos, voltámos a parar no café do senhor mal-disposto, e enquanto se cavaqueava com um grupo de bttistas que também estava em Valada a caminho de Fátima, ficámos a saber que um bocadinho atrás havia um café com umas óptimas bifanas! Mas sorte a minha, já tinha pedido uma sandes mista... :S

Para terminarmos finalmente a contagem, o Luis deu conta após o almoço que tinha novamente um furo, lá se tratou do furo e o resultado foi: Luis 2 - 3 Kitos! Foi renhido, mas ganhou o Kitos (e desconfio que só não deu uma abada ao Luís porque eu o ameacei de porrada... eheheh)

De Valada a Santarém apanhamos o estradão largo, bastante rolante até à bela subida de alcatrão que nos leva à cidade, a verdadeira subida do dia! Apesar de já termos uma boa dose de quilómetros nas pernas, suponho que, por já conhecer a dita da ida a Fátima no ano passado, não custou tanto como pensava que ia custar, devagarinho lá fui eu até chegar ao topo :)

No cimo agrupámos junto ao centro comercial como já é habitual, o Meska estava com vontade de fazer uma visita aos pais no Vale de Santarém, e como havia por lá uma paragem de comboio, acabámos todos por acompanhá-lo e ir cumprimentar os pais... quem tinha decidido seguir ou estava com a água no fim lá atestou... e ala que se faz tarde!

Mais um pouquinho até à "estação fantasma" e aqui despedimo-nos:eu, a Carla, o Pacha, o Luis e o Nuno, decidimos esperar uma horita pelo comboio e o o Kitos, o Carlos e o Meska decidiram continuar, pelo menos até à Azambuja!

A vinda no comboio foi hilariante assim como a espera... aquilo parecia uma estação abandonada, nem casa de banho, nem horários, nem bilheteira... medo!

Chegados ao Oriente (o Pacha seguiu para Sta Apolónia), eu e a Carla tivemos de ir comer o belo pastelinho de nata, e lá seguimos até Sacavém e fomos até ao Elefante Azul lavar as bikes. Na volta a Carla lá me ajudou a colocar a bike em cima do carro e eu esperava conseguir tirá-la ao pé de casa (vá lá, tive ajuda)!

Quanto ao resto da história... parece que o Carlos e o Meska ficaram-se pela Azambuja, mas o Kitos encasquetou que tinha de continuar enquanto houvessem pernas... e chegaram ao destino: Alhandra!

Fica para recuerdo mais uma Grande Rota Maníaca cheia de histórias e boa disposição! Já fazia falta :)

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Singles em Monsanto

Hoje pedalei em Monsanto.

Tinhamos combinado com o António na semana passada esta voltinha, já que não iamos à de domingo para qual ele nos tinha desafiado. Eu estava um bocadinho naquela, este ano ainda não tinha ido pedalar dois dias seguidos, mas está na altura de começar a fazê-lo para começar a ganhar andamento nas pernas.

Fizemos muitos singletracks, algumas subidas manhosas, alguns trilhos que já conheciamos outros nem por isso, realmente Monsanto é um mundo, e quem conheça bem aqueles trilhos pode curtir à brava!

Aproveitámos para voltar a pedalar em alguns dos trilhos das 24h Monsanto (nesta altura já pedalava connosco o Ricardo), vou confessar, já estava com saudades da subida manhosa do cotovelo... LOL Mas ok, em termos de técnica, tenho muito ainda que aprender e tenho de me soltar mais, às vezes lá me aventuro, mas nem sempre corre bem (mais uma queda hoje para o meu counter - vá lá que não me magoei), por isso, vou com calma e quando acho que tenho de desmontar, desmonto sem problemas nenhuns ;)

Mas foi muito fixe, no fim comecei a ficar mais moidita, mas lá seguimos até ao carro. Eu acabei por seguir de carro até à Bina Clínica e o António foi de bike como tinha vindo. Acabei por almoçar com ele e com a Beta lá ao lado, já que a fome era muita e em casa esperavam-me pizzas congeladas... :D

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Sintra

Depois de um fim-de-semana fantástico em terras alentejanas, rodeada de amigos, provas vínicas (recomenda-se vivamente a visita à Herdade do Esporão) e cultura (visita ao Paço Ducal de Vila Viçosa), hoje voltei às pedaladas na serra, aproveitando o melhor que a ponte do Carnaval nos podia dar... tempo livre e sol! :)

Por isso, hoje, fui pedalar para Sintra, aproveitando o tempo maravilhoso que se fez sentir.

Começámos no sítio do costume e fizemos o que já não faziamos há imenso tempo, subir tudo até aos Capuchos. Daí seguimos pelo single à direita com o objectivo de ir até à Barragem, no entanto, alguma coisa correu mal e primeiro demos connosco num beco sem saída no meio de milhentas árvores cortadas e depois decobrimos um caminho para a barragem que era uma autêntica pista de downhill... foi uma bela caminhada, que nunca mais acabava, mas pelo menos acabei por fazer exercício com os braços a segurar a bike e a tentar não cair a descer a pé... :)

Mas lá chegámos à barragem, e depois era subir de novo ;) e correu mesmo bem, consegui subir num ritmo bem porreiro, depois continuámos a subir até à Pedra Amarela, e desta vez não me cortei e fui mesmo ver as vistas...

Tem uma subidinha bem inclinada para lá chegar, mas faz-se bem, custou-me bem mais a descida com regos por tudo o que era lado...

Lá descemos e subimos até à Peninha, na descida depois dos burros, o João furou, já não sei há quanto tempo ninguém furava num passeio em Sintra... Daí andámos na zona entre a Peninha e o Monge, só depois começámos a descer e chegámos novamente à zona da Pedra Amarela, nessa altura o João lembrou-se de descer por um caminho que acompanha as pistas de freeride e vai dar directamente à Malveira, catita... nunca tinha descido por ali :)

domingo, 15 de fevereiro de 2009

XIII Duatlo das Lezírias

Hoje fiz o meu segundo duatlo!

Desta vez não havia nem chuva nem lama, havia solzinho e estava um dia bastante simpático...

Chegámos cedo porque o secretariado e o check-in no parque de transição terminava por volta das 9h, mesmo a prova sendo às 11h, porque o Duatlo de Promoção começava às 9h30 e o parque tinha de estar liberto de confusão...

Mas confusão existiu alguma: no secretariado alguns comprovativos dos pagamentos não se sabiam onde paravam, a entrada para o parque de transição tinha uma fila enorme, a saída do parque de transição tinha fila novamente para validação do chip, só existiam 4 casas-de-banho mistas para mais de 1000 pessoas que se juntaram, logo mais um bocadinho na fila! Mas a malta tem paciência...

A partida para a primeira prova teve de ser adiada quase meia-hora devido aos atrasos na entrada no parque de transição, e lá vimos o Jaime e o Nuno "Galvas" a partir, a passar do primeiro segmento de corrida para o BTT e no fim a chegar à meta! A prova pelo que sei correu bem, apesar do Nuno ter sofrido um acidente quase no fim do BTT e ter "riscado o cromado"...

Comecei a aquecer sozinha um bocadinho antes do Galvas chegar e depois lá me juntei à Carla e ao "Dino", lá corremos um bocadinho (aqueci menos que no Jamor) e depois aquecemos as articulações.

Fomos para a zona da partida e aí ainda tive oportunidade de conhecer a Andreia Moço :) antes de arrancarmos, como suspeitei é uma porreira ;) Vi os irmãos Chung (irmãos do Nuno) com quem acabei por meter conversa, mas só no final da prova.

Lá foi dado o tiro da partida, na altura em que o meu stress começava a aumentar, o ritmo foi elevado desde o início, embora nunca soubesse bem qual era (nem iPod, nem pulsómetro – estava completamente à nora), como era só uma volta foi porreiro ver os primeiros a virem de frente e ficar completamente arrasada quando percebi que ainda me faltava correr tanto para dar a volta… :) Mas lá fui rolando, depois de dar a volta, comecei a sentir algumas dificuldades, primeiro era só a respiração que começava a fazer-se ouvir bem alto, mas depois comecei a ficar com uma espécie de “dor de burro”, a Carla que ia perto de mim estava bem e eu disse-lhe para ela ir seguindo, amigo não empata amigo, abrandei um bocadinho o ritmo, e melhorei a respiração, e lá consegui chegar ao parque de transição na cauda final do pelotão.


Ainda encontrei a Carla que se deparava com as dificuldades da sua “primeira transição”, eu despachei-me rápido e saí com pouca diferença dela, mas como estava a recuperar ainda da corrida, ela escapou-me no alcatrão e nos primeiros quilómetros, embora nunca a tenha perdido de vista.


Lá me fui recompondo e fui passando pessoal, mas sempre a pensar que não ia conseguir manter o ritmo de pedalada até ao final, na verdade, fui sempre puxando e fui-me sentindo bem, lá apanhei a Carla e fomos as duas sempre juntas durante o resto do tempo, a passar pessoal e a escapar dos buracos!

Chegadas ao parque de transição, estavam duas bikes no lugar das nossas, o que me deu uma irritação brutal porque o meu cesto com os ténis estava desviado e perdi imenso tempo a desviar as bikes e colocar a minha (que me desculpe o dono de uma das bikes, mas a bike ficou no chão porque não consegui colocá-la…), lá troquei os ténis, quase que tive uma cãibra no gémeo esquerdo, mas a calçadeira faz milagres e lá me aguentei.


Partimos para a corrida, com as pernas um bocado presas (já nem quero falar que os músculos ainda estavam doridos dos sprints de 5.ª feira… dah de novo!), e debaixo da ponte lá vimos o “Dino” (o que se passou com ele?), e lá nos fomos “arrastando” (pensava eu) durante os quilómetros que faltavam, a Carla foi à frente até metade do caminho e só depois da viragem é que me comecei a sentir melhor (deja vu do Jamor) e ela disse-me “força, continua” e eu lá fui dando passo atrás de passo até à meta; quando passo pelo resto do pessoal na meta gritam-me “SPRINTA” e lá corri com o resto das minhas forças e evitei ser ultrapassada por mais uma adversária mesmo no final :)


Fiquei mordida porque não fazia ideia dos tempos que tinha feito, quando a Carla disse que o pulsómetro tinha 1h30 e tal nem queria acreditar, tinha um objectivo de cerca de 1h50 – mas ok a quilometragem da bike tinha diminuído de 23k para 20k – mas a verdade é que as minhas médias foram muito melhores do que poderia ambicionar (entretanto as classificações ficaram disponíveis): fiz 26m24s nos 5k; 51m59s na bike e 14m04s nos 2,5k – tempo total 1h32m27s! Muito bom, fiquei bastante contente com os meus tempos!!!

Pelas classificações, estivemos todos muito bem, tanto no Duatlo de Promoção como no da Taça, os nossos tempos foram muito bons para o nosso nível de treino… O ideal era mesmo melhorar na corrida, isso faria toda a diferença!!!

Próximo duatlo: Grândola!!!:)

Mais fotos em:
XIII Duatlo Lezirias

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Treino nas Lezírias

Hoje a convite do "Dino" fomos fazer um treino à Lezíria de VFXira para reconhecer o percurso do duatlo do próximo domingo.

Combinámos sair do Carvão às 8h, e lá estavamos: eu, o Dino, a Carla e o Jaime, ah e o Galvas só um bocadito atrasado ;)

Lá seguimos para a Lezíria, chegámos e dfinimos estratégias... :) Tudo pronto? Arrancámos para a corrida... a tentar manter o ritmo do Dino e do Galvas, não tardou e tinha o croissant novamente na garganta (quem mandou comer antes do treino), mas lá segui sem parar, acompanhada da Carla. Neste primeiro segmento fizemos 3,72kms de corrida.

Toca a tirar as bikes rápido, calçar os sapatos de encaixe, colocar capacete e fazermo-nos aos estradões da Lezíria. Começámos com um ritmo forte, mas não tardou a começar novamente a ficar com distância dos meninos... mas a Carla acompanhou-me sempre! Fomos seguindo até a um cruzamento onde surgiram as primeiras dúvidas... lá escolhemos por onde ir, mas a dúvida ia manter-se, aquele não era o caminho!

Mais tarde, passa portão para a frente, passa portão para trás, e demos com um grupo do Alhandra também a treinar para o duatlo (creio que eram juvenis?), lá nos convidaram para os seguirmos e não tardou tinhamos o segmento mais manhoso do percurso, uma zona por cima de um dique com piso lamacento e pesado, vai ser a dor de cabeça da semana que vem! O resto igual... estradões com buracos, rápido, em que só é necessária destreza para fugir dos buracos :)

Lá chegámos de novo aos carros e esta transição foi a mais lenta, mas lá mudámos novamente para os ténis de corrida e fizemos mais 2,5kms para arrumar o treino!

Correu bem, fiz melhores tempos na corrida que no Jamor, na bike também foi rápido o que é mais do que normal dado o tipo de piso, espero que corra ainda melhor no domingo que vem....

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Sintra com pouca lama

E as saudades que eu já tinha de Sintra? Ah pois era, já não ia pedalar em Sintra desde o ano passado... :)

Voltei e o tempo esteve do nosso lado, apesar de ter estado a chover a semana toda, hoje estava um solinho catita e nem estava muito frio na serra.

Decidimos fazer uma voltinha sem lama, e não é como alguns que dizem "ah e tal vamos pedalar sem lama" e depois o pessoal atasca... não! Aqui praticamente não apanhámos lama o caminho todo, também já chegava, não?

Mas o aviso estava feito, para não apanharmos lama temos de andar sempre a subir e a descer, mas não é sempre assim em Sintra?

Por isso, subimos na parte inicial desde a Malveira, descemos até à barragem, voltámos a subir até à Pedra Amarela… nesta altura, estava a arfar e decidi não ir ver as vistas lá acima, escusado será de dizer que depois me arrependi :(

Daí seguimos até à Peninha e começámos a descer para a zona que vai dar ao Cabo da Roca, mas no meio de um trilho quase ao pé do alcatrão, demos com uma máquina de bolas daquelas que costumam estar nos cafés completamente destruída e bolas por tudo quanto é lado, não tardava e estava a vir a GNR… pelos vistos os larápios andaram a fazer das suas… tudo por meia dúzia de trocos!

Nesta altura estávamos numa zona onde nunca tinha pedalado, algures na zona da Azóia, claro que depois de um pouquinho de alcatrão foi subir, subir, subir, e novamente subir, até entrarmos na descida do miradouro/fábrica das águas e depois subimos o trilho mais longo do rabinho de porco.

Como o Miguel tinha de se despachar, seguimos dos Capuchos directamente para a Malveira pelo caminho do costume.

Voltinha catita, com muito poucos segmentos com lama, zonas novas que não conhecia e uma altimetria catita para a distância (algures entre os 930m do GPS e os 1266m do GPSies) para 31kms :) Bom treino!!!

domingo, 1 de fevereiro de 2009

III Duatlo do Jamor a.k.a "Lama, lama, lama e mais lama II"

É verdade, concretizei hoje um dos meus grandes objectivos do ano: participar no Duatlo do Jamor e conseguir terminar :)

Estou muito contente com este meu feito, já que além da dificuldade da prova em si, este ano o Duatlo contou com uma presença já habitual para mim nos últimos domingos: a lama!!!!

Durante toda a semana, estive atenta ao boletim meteorológico, uma vez que a chuva teimou em não dar descanso, e as últimas previsões não eram lá muito animadoras... tempestade! No entanto, na véspera previa-se uma aberta entre as 11h e as 13h, o que até se veio mais ou menos a concretizar... :)

Cheguei ao Jamor relativamente cedo, a partida da corrida dos 5kms tinha sido dada há uns minutos e ainda consegui dar uma força à turtle enquanto ela seguia concentrada para a sua segunda volta ao circuito!

Percebi logo que o terreno não estava nas melhores condições, estava tudo empapado, fui logo levantar os dorsais e dirigi-me de volta ao carro para ir buscar a bike e o resto do material a colocar na zona de transição, nessa altura caiu o dilúvio, e refugiei-me dentro do carro, mesmo a tempo de não levar com o granizo que nessa altura caiu… este foi o momento em que eu desmoralizei, pensei “se continua assim eu não tenho força mental para terminar”, mas foi de pouca dura! Passado um pouco a chuva abrandou e fui tirar o material e fazer o check-in da bike e do material no parque, e daí fiz o meu aquecimento de corrida.

A partida estava para breve, logo fui-me aproximando da zona da partida, vendo muitas caras conhecidas, estava toda a gente no Jamor :)

O primeiro segmento de corrida (5kms) foi feito num ritmo relativamente elevado, dentro daquilo que tinha planeado, fiz 29’10’’ (10,29km/h – 5’50’/km). Entrei para a zona de transição, meio à nora, não sabendo bem o que fazer em primeiro lugar, mas lá coloquei o capacete e calcei os sapatos de encaixe e tentei correr para sair da zona “a pé” e poder montar a bike. Ao contrário das minhas expectativas, consegui iniciar a subida num ritmo confortável, a primeira subida tinha um topo com uma inclinação jeitosa, e para me poupar desmontei e segui num ritmo acelerado para tentar compensar, montando-me na curva para continuar o trajecto. A mata do Jamor estava mesmo muito enlameada, alguns trilhos estavam bons, mas outros eram um “tulicreme” brutal, mas praticável depois de quem tinha estado no Mondego ;), se nas descidas me poupava (quis evitar uma queda a todo custo), nas subidas tentava dar o que tinha, e a rolar esticava tudo; mas ao descer à zona de meta e ao passar ao lado do parque de transição só pensava “nem acredito, mais uma volta naquela lama”, mas lá fui, decidida a dar o meu melhor! Tenho noção que a 2.ª volta foi pior a que a 1.ª, mas naquele momento isso era secundário, eu queria era chegar ao fim! Fui dobrada pelos primeiros que passavam tipo flechas, e ainda vi um dos triatletas no cimo de uma subida inclinada, mesmo ao meu lado, a partir o drop-out e a ficar com o desviador pendurado, imagino a desilusão… :(

Cheguei ao parque de transição depois de 92’02’’ a pedalar (11,73km/h e 34,89km/h de velocidade máxima), e essa transição, apesar de mais rápida, foi a mais manhosita, porque a lama estava por todo o lado, descalçar os sapatos de encaixe e voltar a meter os pés nos ténis (com a ajuda da calçadeira – [obrigada pela dica Andreia ;) e muitos parabéns pelo 2.º lugar]) foi obra, ainda peguei no boné que consegui colocar já durante a corrida e fiz-me ao caminho. Aqui a sensação é estranha, as pernas ao princípio parece que não querem colaborar e eu tinha a sensação que ia muito lenta, passei pela Carla e o Jaime e cravei logo água, já que a minha garganta estava muito seca, de seguida lá me deram uma garrafinha de Isostar que me acompanhou durante toda a corrida. Esta corrida ao princípio estava-me a custar bastante, mas decidi que não ia parar, aos poucos consegui ir-me sentindo melhor e no final consegui melhorar a velocidade acabando este segundo segmento de corrida com 16’25’’ (9,14km/h – 6’34’’), melhor do que pensei, já que achava que estava para aí a correr a 8/8,5km/h.

Foi uma satisfação enorme terminar com um enorme sorriso estampado no rosto emlameado, uma vitória pessoal, com um tempo total de 137’37’’, mesmo não sendo um tempo brilhante, foi um tempo abaixo do limite que tinha em mente (máximo de 2h30)!!!

Ficou o bichinho, agora a próxima participação será daqui a 15 dias no Duatlo das Lezírias! Não quero deixar de agradecer ao pessoal que vi por lá e que me deu força, sobretudo ao Jaime e à Carla que não se assustaram com a chuva e fizeram questão de aparecer e torceram por mim sempre que eu passava; ao Gabriel, companheiro da travessia, que também por lá estava a ver a festa; ao Soldado que gritou por mim já perto do PT e da meta e ainda ao “Dino” que também participou e que passou por mim já limpinho ;) e me deu força quando eu ia para o último segmento de corrida!!!! Quem também não posso deixar de referir é a Elisabete (_riplas_) e o João (Mr.Orbea) que fizeram uma prova próxima de mim e que eu finalmente pude conhecer pessoalmente :)

Ficam algumas fotos: